Pular para o conteúdo principal

A primeira de muitas - Ponta Grossa, Curitiba e Antonina - 07 a 11 de Julho

Como diz Fernando Pessoa, "a vida é o que fazemos dela", e para viajantes, a fazemos muito mais bonita!

Assim foram os dias 07 a 11 de Julho, onde o Cassiano e eu percorremos as estradas de São Paulo e Paraná. Certa vez li que uma viagem vem para nos tornar conhecedores de si mesmos e sinceros nas atitudes, e essa viagem veio pra solidificar ainda mais nosso sentimento, proporcionar conhecer ainda mais um ao outro, sentir nossa alegria em estar junto e dar a certeza que desejamos muitos e muitos kms de alegria, as vezes cada um com sua moto...as vezes os dois em uma moto...de ônibus...a pé...não importa, o que vale é estarmos sempre cheios de expectativas e abertos para as novas experiências que estão surgindo.

Mas senta que lá vem história...

No dia 7 saí de Jundiaí e fui encontrá-lo em Capão Bonito, de lá seguimos pra Ponta Grossa, nosso primeiro destino. Nosso objetivo por lá era conhecer a Abadia da Ressurreição, um mosteiro muito bonito cujos monges belamente apresentam seus cantos gregorianos, um lugar de muita paz. Apesar de não ser católica o passeio foi muito agradável e a apresentação é realmente formidável! Qdo se trata de crenças religiosas, o respeito a todas as denominações é que faz toda a diferença.







De Ponta Grossa seguimos para Curitiba. Devido ao frio optamos por ficar um dia inteiro por lá, a fim de turistar e torcer para o tempo melhorar. Em Curitiba há uma linha turística mto prática, custa R$45 por pessoa e da direito ao transporte para visitar 4 pontos turisticos. Começamos pelo jardim botânico, um lugar incrível com uma estufa belíssima. Registramos maravilhosos momentos por lá:










O segundo destino foi a Ópera de Arame, uma construção belíssima e surpreendente. Num bar aconchegante aproveitamos para tomar um quentão, minha primeira experiência com essa bebida rsrs mas não sei se terá a segunda :-P rsrs gengibre não é comigo.





Seguimos pra Torre da Oi, onde proporciona uma vista panorâmica de Curitiba, surpreende pelo tamanho, e mesmo de cima é uma cidade muito bonita.




No dia seguinte seguimos para a Estrada da Graciosa, presenteados com um céu azul e um tempo super agradavel. Que passeio delicioso!













Passamos por Morretes mas optamos por seguir para Antonina. Antonina nos presenteou com um clima aconchegante e paisagens surpreendentes, gostamos demais da estadia por lá, fechou nossa viagem com chave de ouro *-*















No dia 11 seguimos para Jundiaí, o frio judiou um pouco mas no fim deu tudo certo e chegamos com segurança, com mais de 1200 kms na bagagem, e com a expectativa para que as próximas viagens venham logo, casal estradeiro ninguém segura ;-)


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Vlog Rumo aos Sonhos - Episódio 010 e 011 - Um bate papo sobre a Lander

Não é todo dia que encontramos uma moto com quase 270 mil kms rodados, e essa é a atual quilometragem da minha Lander. Peguei a motoca zero km no dia 25/01/2014, meu objetivo era ter uma moto novinha para a primeira viagem para o exterior, o Giro Latino, que já está registrado aqui no blog. Desde então tivemos a chance de percorrer juntas 9 países aqui da América Latina, sem contar a parceria dia a dia nas idas ao trabalho, faculdade e muito mais. Já foram muitos kms de alegria, e fico na expectativa para que venham muito mais! Devido essa alta quilometragem, muitos me perguntam sobre as manutenções que faço, se já fiz o motor...então para esclarecer todas as dúvidas, decidi fazer dois vídeos relacionados. O Episódio 010 respondo a clássica pergunta se já fiz o motor da Lander, e sim, já fiz, com 176 mil kms. Quando tinha 100 mil kms, o eixo da rosca do pinhão espanou e rodei 76 mil kms com o pinhão soldado. Para resolver o problema de uma vez por todas, fizemos o evento do QG da

13/11 - De Puerto Pirámides a Caleta Olivia

Durante o planejamento da viagem fiquei bem tranquila, mas na véspera da saída, sinceramente, o receio e o medo do que estava por vir ficaram constantes nos meus pensamentos. Tinha medo de uma viagem tão longa num grupo de 5 pessoas, tinha medo de não atingir nossas expectativas ou de novamente sofrer algum acidente. Medo de possíveis conflitos de relacionamento, personalidade, medo de problemas que pudéssemos ter, medo de a moto não aguentar a viagem e, principalmente, medo de não conseguir realizar esse objetivo. Havia lido muito sobre o caminho, as adversidades, as dificuldades... cada relato tinha uma característica, e nunca é fácil a superação. Mas justamente deixar os medos pra trás é o que separa as pessoas que sonham das que realizam. Uma das principais dificuldades do caminho, especificamente, é o vento, mas vamos por partes... Depois do acidente do Kpot, passamos em Puerto Madryn para comprar outro retrovisor para a Teneré, e aliás, que cidade linda! Em Puerto Madr