Pular para o conteúdo principal

11/11 - De Viedma a Puerto Pirámides (Península Valdés)

Tem um verso de uma música do Skank, que apesar de muito dramática, tem um trecho que diz assim:

"Vou deixar a vida me levar
Pra onde ela quiser
Seguir a direção
De uma estrela qualquer"

Vou deixar - Skank                                  

Pois é... deixar a vida levar... seguindo uma estrela qualquer.... Nosso 11º dia de viagem foi exatamente com esta sensação!! Viedma surgiu no nosso roteiro simplesmente porque o Paulo iria se hospedar por lá, como estava anoitecendo... decidimos ficar por lá tbm.

Ficamos num hostel simples...



Mas que renderam bons momentos de conversa :)


Nas paredes do hostel tinham imagens e mapas de um lugar lindo chamado El Condor, a menos de 30 kms de lá, então... bora ir descobrir né \o/








Em 1881 houve um naufrágio de um navio dinamarquês nessas águas, portanto, anos mais tarde, construíram este farol.




Haviam dezenas de pássaros por todo canto, realmente lindo de se ver.



A cada passo, ficávamos ainda mais encantados com a beleza do local.























Depois de muitas e muitas fotos incríveis, fomos conhecer tbm a reserva Punta Bermeja, conhecida como "La loberia", devido os muitos leões/lobos marinhos.





O museu foi super interessante, e quem manja manja né, olhem o Carlos dando uma aula pra gente





Lugar incrível!!!






Nosso registro no livro de visitas



Com um lugar tão incrível, ficamos a manhã inteira por lá, e sem vontade de ir embora rsrs. Maaaas, a viagem deve continuar, e um lugar igualmente incrível nos esperava: Puerto Pirâmides, na Península Valdés.

Como sempre... nada de demorar muito, então um "lanchinho pequenininho" já contenta, certo Carlos?




Muitas pessoas se preocupam com postos de gasolina, tbm tivemos essa preocupação e estávamos com galões reserva e recomendamos que realmente levem, mas como já dito, em média, a cada 150 kms encontrávamos algum posto tranquilamente, e sempre deixando nossa marca por lá :D

Obs: Mas não se iluda, usei o galão duas vezes que serão relatadas nos dias a frente.





Depois de muitas retas chegamos à Penísula Valdés, o objetivo desta parada era para fazer um passeio de barco e ver baleias, mas eu não sabia que tinha que pagar para entrar na Península, e nada barato, o equivalente a R$72 (câmbio R$1 - $3,60 pesos).

Lembro da cara de má vontade de alguns, cogitando não ficarmos por lá devido o alto valor da entrada, mas aí entra a voz de liderança, antes da viagem perguntei a todos se topariam o passeio, disseram que sim, então nada de contrariar rsrsrs. Seus infiéis, não confiaram no meu planejamento né picaretas, e tivemos um dos melhores momentos da viagem!!!




O Hostel Aloha foi o melhor hostel da viagem, ótimo preço e muito aconchegante.


Depois do rápido conflito da entrada, todo mundo deixou pra lá e foi curtir, essa é a parte boa em viajar com verdadeiros amigos, nada de picuinha, cada um expõe a sua opinião e decidimos o melhor para o grupo.



Total entrosamento kkkk total!!! Fui cair na besteira de beber UM copo de cerveja para acompanhar o brinde da galera rsrs vejam o resultado.


Até aqui já tinham sido percorridos 4633 kms



Estávamos com sorrisos que insistiam em não fugir dos nossos rostos ;-) , bora para o passeio na Península, que foi demais!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um tombo que não estava nos planos =/

Bem, já deu pra perceber que desafio pouco é para os fracos né, nossa viagem está levando essa palavra muito a sério rsrs. Antes de mais nada quero deixar claro que estou bem, mesmo !!! Não avisei nada antes para não preocupar ninguém, só estou colocando no blog porque faz parte do Giro né rsrs Depois de nos encantarmos com a estrada incrível de Puerto Maldonado a Cusco, faltando uns 100 kms para o destino final sofri um acidente. Numa curva simples a roda dianteira escorregou na faixa central e fui direto pro guardrail. Lembro que quando estava caindo só ficava pensando em me encolher pra tentar passar por baixo do guardrail, estava sentindo ir deslizando pelo asfalto por alguns metros e ouvindo o barulho da moto tbm no chão. O Carlos fala que dei uma pancada  nos ferros e a moto passou a meio metro de me atropelar, mas felizmente o pior não aconteceu. Só me dei conta quando estava já no canteiro, deitada e com muita dor no lado direito. tirei o capacete e em poucos segu

A primeira de muitas - Ponta Grossa, Curitiba e Antonina - 07 a 11 de Julho

Como diz Fernando Pessoa, "a vida é o que fazemos dela", e para viajantes, a fazemos muito mais bonita! Assim foram os dias 07 a 11 de Julho, onde o Cassiano e eu percorremos as estradas de São Paulo e Paraná. Certa vez li que uma viagem vem para nos tornar conhecedores de si mesmos e sinceros nas atitudes, e essa viagem veio pra solidificar ainda mais nosso sentimento, proporcionar conhecer ainda mais um ao outro, sentir nossa alegria em estar junto e dar a certeza que desejamos muitos e muitos kms de alegria, as vezes cada um com sua moto...as vezes os dois em uma moto...de ônibus...a pé...não importa, o que vale é estarmos sempre cheios de expectativas e abertos para as novas experiências que estão surgindo. Mas senta que lá vem história... No dia 7 saí de Jundiaí e fui encontrá-lo em Capão Bonito, de lá seguimos pra Ponta Grossa, nosso primeiro destino. Nosso objetivo por lá era conhecer a Abadia da Ressurreição, um mosteiro muito bonito cujos monges belamente apres

13/11 - De Puerto Pirámides a Caleta Olivia

Durante o planejamento da viagem fiquei bem tranquila, mas na véspera da saída, sinceramente, o receio e o medo do que estava por vir ficaram constantes nos meus pensamentos. Tinha medo de uma viagem tão longa num grupo de 5 pessoas, tinha medo de não atingir nossas expectativas ou de novamente sofrer algum acidente. Medo de possíveis conflitos de relacionamento, personalidade, medo de problemas que pudéssemos ter, medo de a moto não aguentar a viagem e, principalmente, medo de não conseguir realizar esse objetivo. Havia lido muito sobre o caminho, as adversidades, as dificuldades... cada relato tinha uma característica, e nunca é fácil a superação. Mas justamente deixar os medos pra trás é o que separa as pessoas que sonham das que realizam. Uma das principais dificuldades do caminho, especificamente, é o vento, mas vamos por partes... Depois do acidente do Kpot, passamos em Puerto Madryn para comprar outro retrovisor para a Teneré, e aliás, que cidade linda! Em Puerto Madr