Pular para o conteúdo principal

08/11 - Buenos Aires

"Buenos Aires, a Europa americana..."

Afim de verificar essa ideia, típica argentina, decidimos reservar um dia para conhecer Buenos Aires, será que é tudo isso?. Particularmente, cidades grandes não costumam chamar minha atenção, mas a capital argentina não poderia passar em branco, portanto, vamos lá na garupa virtual ;-)


Como já dito, no dia anterior, 07/11, a cidade estava muito movimentada, com isso só achamos hotel próximo a La Boca, um lugar meio barra pesada, mas foi a única alternativa. Em partes foi bom, pois era uma avenida de fácil acesso, e como estava sem gps, facilitou para rodarmos por lá. O domingo, dia 08, estava realmente com cara de dia de turista, e aproveitamos este momento ;-)




Sempre observamos a rixa entre brasileiros x argentinos, as vezes ela extrapola ao futebol... mas não temos reclamações dos tratamentos que recebemos. No trânsito, todos olhavam as cinco motos rodando, e constantemente gritavam "Brasil" ao notar nossa origem. Qdo precisávamos de alguma informação, obtivemos facilmente. Claro que teve uns taxistas com ovo virado... mas isso é o de menos.

Nosso primeiro destino foi a famosa Casa Rosada. A Casa Rosada é a sede da presidência da  República Argentina, localiza-se em frente à Praça de Maio (Plaza de Mayo). Como era de se esperar, estava cheio de turistas, então preferimos só ficar por fora mesmo.









Por ser domingo, estávamos preocupados em fazer câmbio. Nos indicaram a Calle Florida, mas os lugares oficiais estavam todos fechados. Havia alguns cambistas nas ruas que ofereciam em média 3,75 pesos por real, mas ouvimos tantos casos de turistas que pegaram dinheiro falso nas ruas que preferimos esperar, ainda tínhamos um pouco da troca anterior... o jeito foi economizar o dia inteiro.

A questão de dinheiro é complicada na argentina, principalmente na proporção de valores, totalmente diferente do que estamos acostumados, por exemplo: O litro da gasolina, em média 15 pesos, portanto quase 150 pesos a cada abastecimento. Um almoço, aqui no Brasil, encontramos em lugares populares na casa dos R$25, por lá, um pão com milanesa era mais de 100 pesos... então, se reservássemos na carteira, sei lá, 600 pesos por dia, parecia que era um dinheirão... mas normalmente nem durava até o final do dia, essa proporção de valores altos é algo que confunde bastante.


Bem, rodamos um pouco pelo centro... conhecemos a Catedral...prédios com uma arquitetura muito bonita e cheios de história.

Seguimos para o Parque de La Flor, cujo atrativo principal é uma flor gigante de alumínio que fecha a noite, bem bonita e interessante.



A cada parada eu dava uma olhada no mapa rsrs até que me saí bem como guia, sem conhecer nada rsrs




Inicialmente, desejávamos ir ao zoológico de Luján, onde é possível tirar fotos com leões, mas pelo modo econômico e preguiça mesmo, fomos para o Zoológico da própria capital. Passamos tbm pelo Jardim Japonês, mas que o modo econômico tbm nos fez não ter tanto interesse. Passeios bem tranquilos e familiares.





O próximo destino foi o famoso estádio La Bombonera, do Boca Juniors. "Seu apelido deve-se à sua forma retangular como a de uma caixa de bombons. A principal razão para isso é o reduzido espaço que fora destinado à sua construção, iniciada em 1923. A solução encontrada pelo arquiteto José Luiz Delpini - que lhe granjeou vários prêmios - foi a de criar três anéis de arquibancadas, de modo que quem assiste o jogo da terceira arquibancada tem de olhar para baixo se quiser assistir o jogo com clareza."


Ainda demos mais umas voltas de moto que garantiram lindas fotos.



Bem, este dia foi realmente um dia de descanso, os dias seguintes seriam de muito chão, então foi bom reservar esse descanso. Acima disse que não tivemos grandes problemas com argentinos, mas no post anterior falei de um picareta que se propôs a olhar nossas motos. Inicialmente, nos fizeram entender que se tratava do segurança do próprio hotel, e nos cobraram 200 pesos por moto, como estávamos com pouco dinheiro, fui conversar com ele e disse que dessa vez teríamos apenas 50 pesos por moto. O cara riu da minha cara e ficou horas reclamando. Como apenas na recepção funcionava a internet, fiquei até tarde por lá, e ele ao meu lado fazendo questão de reclamar indiretamente de nós, mas estava muito tarde e preferi não arranjar problemas, principalmente provocar e acontecer alguma coisa com as motos.

Bem, achei Buenos Aires uma cidade com partes bonitas, muitos parques, centro limpo e organizado, mas ao mesmo tempo... falta de placas e indicações, e coisas comum, nada muito diferente do que temos nas capitais brasileiras, então... continuo com a ideia de fugir de cidades grandes e capitais rsrs .

Mas booora, porque a Argentina tem muito mais!!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um tombo que não estava nos planos =/

Bem, já deu pra perceber que desafio pouco é para os fracos né, nossa viagem está levando essa palavra muito a sério rsrs. Antes de mais nada quero deixar claro que estou bem, mesmo !!! Não avisei nada antes para não preocupar ninguém, só estou colocando no blog porque faz parte do Giro né rsrs Depois de nos encantarmos com a estrada incrível de Puerto Maldonado a Cusco, faltando uns 100 kms para o destino final sofri um acidente. Numa curva simples a roda dianteira escorregou na faixa central e fui direto pro guardrail. Lembro que quando estava caindo só ficava pensando em me encolher pra tentar passar por baixo do guardrail, estava sentindo ir deslizando pelo asfalto por alguns metros e ouvindo o barulho da moto tbm no chão. O Carlos fala que dei uma pancada  nos ferros e a moto passou a meio metro de me atropelar, mas felizmente o pior não aconteceu. Só me dei conta quando estava já no canteiro, deitada e com muita dor no lado direito. tirei o capacete e em poucos segu

A primeira de muitas - Ponta Grossa, Curitiba e Antonina - 07 a 11 de Julho

Como diz Fernando Pessoa, "a vida é o que fazemos dela", e para viajantes, a fazemos muito mais bonita! Assim foram os dias 07 a 11 de Julho, onde o Cassiano e eu percorremos as estradas de São Paulo e Paraná. Certa vez li que uma viagem vem para nos tornar conhecedores de si mesmos e sinceros nas atitudes, e essa viagem veio pra solidificar ainda mais nosso sentimento, proporcionar conhecer ainda mais um ao outro, sentir nossa alegria em estar junto e dar a certeza que desejamos muitos e muitos kms de alegria, as vezes cada um com sua moto...as vezes os dois em uma moto...de ônibus...a pé...não importa, o que vale é estarmos sempre cheios de expectativas e abertos para as novas experiências que estão surgindo. Mas senta que lá vem história... No dia 7 saí de Jundiaí e fui encontrá-lo em Capão Bonito, de lá seguimos pra Ponta Grossa, nosso primeiro destino. Nosso objetivo por lá era conhecer a Abadia da Ressurreição, um mosteiro muito bonito cujos monges belamente apres

13/11 - De Puerto Pirámides a Caleta Olivia

Durante o planejamento da viagem fiquei bem tranquila, mas na véspera da saída, sinceramente, o receio e o medo do que estava por vir ficaram constantes nos meus pensamentos. Tinha medo de uma viagem tão longa num grupo de 5 pessoas, tinha medo de não atingir nossas expectativas ou de novamente sofrer algum acidente. Medo de possíveis conflitos de relacionamento, personalidade, medo de problemas que pudéssemos ter, medo de a moto não aguentar a viagem e, principalmente, medo de não conseguir realizar esse objetivo. Havia lido muito sobre o caminho, as adversidades, as dificuldades... cada relato tinha uma característica, e nunca é fácil a superação. Mas justamente deixar os medos pra trás é o que separa as pessoas que sonham das que realizam. Uma das principais dificuldades do caminho, especificamente, é o vento, mas vamos por partes... Depois do acidente do Kpot, passamos em Puerto Madryn para comprar outro retrovisor para a Teneré, e aliás, que cidade linda! Em Puerto Madr