Pular para o conteúdo principal

23/03 - De Humahuaca a Taco Pozo - Argentina

Dizem que um bom viajante não tem planos fixos, se deixa levar pela estrada sendo flexível a tudo o que aparece, afinal, depois de um tempo na estrada aprendemos que "as pessoas não fazem viagens, são as viagens que fazem as pessoas".

Bem, como decidimos que a partir de Humahuaca o nosso rumo seria mesmo para casa, durante todo o trajeto o coração ficou apertado por não ir ao Atacama, principalmente ao passar pela placa de acesso a rodovia para o Chile, mas... paciência, bora continuar a aventura para que muitas outras venham.


Humahuaca e suas referências ao Che :-)


Pegamos a Ruta 9 sentido Salta, e depois a Ruta 16, para a 16 não tinha placa e por isso passamos uns 15 kms da entrada rsrs ainda bem que paramos para almoçar e, papo vai papo vem com o dono... ele nos indicou o caminho correto.

A Ruta 9 está em ótimo estado, sem contar que as montanhas coloridas são realmente encantadoras *-*





A Ruta 16 já não está tããão boa assim. Nesse momento da viagem estávamos com um problema sério: Tínhamos dólares \o/ e não tínhamos nada de pesos argentinos /o\ , chegamos ao ponto de parar pra abastecer e apenas eu estava com uns trocados no bolso, abasteci 126 pesos, 80 na minha moto e o restante na do Boni, a coisa tava feia rsrs.



Mas sabíamos que no fim as coisas dariam certo ;-) rsrsrs


Estávamos totalmente sem grana mesmo, anoiteceu e só passávamos por cidades pequenas, era domingo e tbm não passamos por nenhuma casa de câmbio ao longo do dia, os hotéis e boa parte dos postos não aceitavam cartões.... tava complicando rsrs, mas sabe aquela parte que as viagens é que nos formam? Sendo flexíveis e sem frescura as coisas se ajeitam, decidimos entrar numa cidade pequenininha chamada Taco Pozo, só tinha um hotel por lá de acordo com os moradores e dois postos de gasolina.


Chegamos no hotel e o Boni foi falar com a moça da recepção, umas ligações para o dono... e eis que o próprio cara iria trocar dinheiro pra gente, além disso o hotel nos atenderia super bem, banho quente, quarto individual, café da manhã e até wi-fi (tudo bem que não navegava mas quem éramos nós para reclamar né rsrsrs) . O cara do hotel trocou 200 dólares a 8 pesos cada, 2 a menos que as casas de câmbio pagavam mas nessas horas tudo tava valendo rsrs. O quarto foi 90 pesos e 15 o café da manhã, com isso iríamos conseguir "até" jantar com mta tranquilidade rsrsrs.

Uma coisa curiosa é que era noite de festa por lá, o time da cidade tinha ganhado um campeonato e a galera tava rodando e batucando pelas ruas rsrs

O hotel no dia seguinte :-)


E os capacetes imundos na noite que chegamos rsrs


Apesar da preocupação sobre como resolveríamos a situação da grana, esse dia foi interessante pelo fato de que juntos e com as muitas tentativas as coisas se acertaram, não adianta ficar um culpando o outro ou se estressar com as adversidades, o que adianta é dar risada e tentar!!! Simples assim!!! Se for necessário vamos bater de casa em casa, hotel em hotel até achar um que se enquadre dentro das nossas necessidades, vamos sempre nos apoiar e ajudar um ao outro pro que der e vier, companheiros de estrada funciona assim, e no final ainda vamos dar risada com os capacetes sujos na mão e com a alegria de continuar percorrendo sempre.

Comentários

  1. Oba, mais um capitulo, curto muito tudo isso rsrs

    ResponderExcluir
  2. Bom demais!! Mais uma vez demonstrando que têm espírito "viageiro".

    haendel

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Um tombo que não estava nos planos =/

Bem, já deu pra perceber que desafio pouco é para os fracos né, nossa viagem está levando essa palavra muito a sério rsrs. Antes de mais nada quero deixar claro que estou bem, mesmo !!! Não avisei nada antes para não preocupar ninguém, só estou colocando no blog porque faz parte do Giro né rsrs Depois de nos encantarmos com a estrada incrível de Puerto Maldonado a Cusco, faltando uns 100 kms para o destino final sofri um acidente. Numa curva simples a roda dianteira escorregou na faixa central e fui direto pro guardrail. Lembro que quando estava caindo só ficava pensando em me encolher pra tentar passar por baixo do guardrail, estava sentindo ir deslizando pelo asfalto por alguns metros e ouvindo o barulho da moto tbm no chão. O Carlos fala que dei uma pancada  nos ferros e a moto passou a meio metro de me atropelar, mas felizmente o pior não aconteceu. Só me dei conta quando estava já no canteiro, deitada e com muita dor no lado direito. tirei o capacete e em poucos segu

A primeira de muitas - Ponta Grossa, Curitiba e Antonina - 07 a 11 de Julho

Como diz Fernando Pessoa, "a vida é o que fazemos dela", e para viajantes, a fazemos muito mais bonita! Assim foram os dias 07 a 11 de Julho, onde o Cassiano e eu percorremos as estradas de São Paulo e Paraná. Certa vez li que uma viagem vem para nos tornar conhecedores de si mesmos e sinceros nas atitudes, e essa viagem veio pra solidificar ainda mais nosso sentimento, proporcionar conhecer ainda mais um ao outro, sentir nossa alegria em estar junto e dar a certeza que desejamos muitos e muitos kms de alegria, as vezes cada um com sua moto...as vezes os dois em uma moto...de ônibus...a pé...não importa, o que vale é estarmos sempre cheios de expectativas e abertos para as novas experiências que estão surgindo. Mas senta que lá vem história... No dia 7 saí de Jundiaí e fui encontrá-lo em Capão Bonito, de lá seguimos pra Ponta Grossa, nosso primeiro destino. Nosso objetivo por lá era conhecer a Abadia da Ressurreição, um mosteiro muito bonito cujos monges belamente apres

13/11 - De Puerto Pirámides a Caleta Olivia

Durante o planejamento da viagem fiquei bem tranquila, mas na véspera da saída, sinceramente, o receio e o medo do que estava por vir ficaram constantes nos meus pensamentos. Tinha medo de uma viagem tão longa num grupo de 5 pessoas, tinha medo de não atingir nossas expectativas ou de novamente sofrer algum acidente. Medo de possíveis conflitos de relacionamento, personalidade, medo de problemas que pudéssemos ter, medo de a moto não aguentar a viagem e, principalmente, medo de não conseguir realizar esse objetivo. Havia lido muito sobre o caminho, as adversidades, as dificuldades... cada relato tinha uma característica, e nunca é fácil a superação. Mas justamente deixar os medos pra trás é o que separa as pessoas que sonham das que realizam. Uma das principais dificuldades do caminho, especificamente, é o vento, mas vamos por partes... Depois do acidente do Kpot, passamos em Puerto Madryn para comprar outro retrovisor para a Teneré, e aliás, que cidade linda! Em Puerto Madr