Pular para o conteúdo principal

Giro Além Oiapoque - Planejamento...

Sempre fui a favor da ideia de que "a melhor forma ao planejar uma viagem é aprender com quem já foi", visto que mapas nem sempre são tão exatos, e nada vale mais do que a experiência....  Por nosso roteiro ser desafiador, estamos "devorando" todos os relatos e vídeos na internet, principalmente sobre a Rodovia Fantasma (BR-319), as Guyanas e o Suriname, a BR 156 (entre Macapá e Oiapoque) e o trajeto de barco até Santarém, e vale a pena compartilhar alguns links mto bons!!!



Rodovia Fantasma: http://americasobreduasrodas.blogspot.com.br/2016/08/br-319-estrada-fantasma.html

Guyana Francesa: http://americasobreduasrodas.blogspot.com.br/2014/02/guiana-francesa.html

Suriname : http://americasobreduasrodas.blogspot.com.br/2014/02/suriname.html

Guyana: http://americasobreduasrodas.blogspot.com.br/2014/01/guyana-antiga-guyana-inglesa.html
 



https://www.motoadventure.com.br/on-the-road-motociclista-percorre-arco-norte-da-america-do-sul/

Deste último link, entrei em contato por e-mail com o Rodrigo que foi muito solícito e esclarecedor, e vale a pena postar aqui na íntegra, com as dúvidas enviadas e as respostas:

"1-) Vc pegou a autorização para a Guiana em Boa Vista? O que foi Necessário? Qto custou? Qto tempo demorou?

Sim, tem que pegar em Boa Vista. O consulado da Guiana fica na Rua Coronel Mota, 629. Lá vão te dar a autorização para entrada da moto. Tem que levar passaporte, doc. da moto e cnh (eu tinha a internacional, não sei se com a nacional pode?). Não custa nada. E fazem na hora.

Bom daí quando chegarem em Lethem, na fronteira, antes de fazerem a imigração, falem pro guarda que só vão entrar pra ir até o Banco fazer os seguros e depois voltam pra dar entrada, tem que ser assim, pois vão te pedir esses seguros na imigração. Voces vão no segundo andar do Guyana Bank for Trade & Industry, na rua principal mesmo, alí compram o seguro obrigatório da moto, da Guiana e do Suriname também !!! Tem que levar a autorização do consulado lá de Boa Vista, passaporte, doc. da moto e cnh. Comprei 15 dias pra Guiana e 15 pro Suriname, custou R$ 150. Tenham alguns xerox das documentações, se não me engano pediram em alguns lugares.


Depois vão voltar alí na fronteira e fazer a imigração finalmente, com passaporte, autorização do consulado, seguro obrigatório, doc. da moto, cnh e nome de algum hotel em Georgetown (tenham algum nome, podem perguntar). Pronto, entraram na Guiana.


Quando forem cruzar o rio Essequibo, tem um controle policial, devem registrar a passagem de voces, não passem direto, mesmo que eles não estejam na estrada, o interesse é de voces. E, uns 100 km depois de cruzarem a balsa do Rio Esequibo, tem um vilarejo que se chama Mabura, alí procurem uma casinha azul, do lado direito da estrada é a polícia e eles tem que registrar a passagem das motos e carimbar a autorização. Provavelmente também não vão parar voces, mas voces tem que ir lá !!


Sobre o cambio, em agosto de 2015 R$1,00 = 60 dólares guianeses (GYD).


Mais dicas, a balsa, no Rio Essequibo, nessa direção não paga nada, mas não vem prá esse lado só pra pegar motos, se tiver carro daí eles vem. Então se informem do horário que passam as vans, pois todo dia elas fazem esse trajeto, acho que chegam alí umas 6:00 da manhã !!Alí, poucos kms antes de atravessar o Rio tem o Iwokrama International Centre, um centro de pesquisas que tem quartos pra alugar.


De Lethem até Georgetown são 565 km, sendo 460 de terra ou lama se chover.
Em Georgetown olho vivo prá malandragem deles !!
Não deixem de conhecer a St. George's Cathedral, maior igreja de madeira do mundo.

Roteiro na Guiana : Lethem - Annai, 132 km, tem gasolina em Annai.
Annai - Kurupukari (é o local da balsa do Rio Essequibo e tem o controle policial), 99 km.
Kurupukari - Mabura (outro controle policial), 109 km.
Mabura - "58 Miles", 17 km, é um posto de gasolina e tem restaurante e dá prá dormir em redes (levem).
"58 Miles" - Linden, 103 km, depois de Linden começa o asfalto.
Linden - Georgetown, 110 km.
Georgetown - Corriverton, 190 km, é a última cidade da Guiana, antes de atravessar pro Suriname (ferry).


Sobre a língua, como a Guiana era colonia Inglesa, o idioma é ingles. Mas não é fácil de entender não, tem um sotaque meio que caribenho, sei lá ? De qualquer forma, tem que ser ingles.
Os tramites de saída na aduana da Guiana, podem demorar um pouco, o pessoal é meio enrolado.
É bom dormirem em Corriverton pois até atravessar e fazer tudos os tramites, pode demorar e ainda depois vão até Paramaribo, no Suriname.

Suriname : - Atravessa o ferry próximo a Corriverton.
Daí vai fazer a papelada de aduana, imigração, é bem enrolado, tinha uma fila enorme, pois vem muita gente junto no ferry e é meio difícil de entender o que é necessário. Tive sorte que tinha uns franceses da UN e sabiam o que fazer, fui junto com eles e nem pegamos fila. Tentem achar algum estrangeiro alí na balsa (ferry) prá facilitar pra voces.

Da divisa a Paramaribo, 252 km.
Em Paramaribo tem muito cassino e bare com jazz ao vivo, etc.. Conheçam a bela Saint Peter and Paul Cathedral.

De Paramaribo a Albina (fronteira com Guiana Francesa) 150 km.
Procura onde faz a papelada de saída do Suriname e vai pegar o ferry para a Guiana Francesa.
Esse ferry tem horários, procurem tem um site, o ferry é frances, bem organizado, paguei 15,50 EU.
Se não quiserem esperar pelo ferry vai com os barquinhos dos caras mesmo, mas cuidado, são bem malandros !
Cambio em agosto 2015 1 real = 0,95 Surinam Dólar (SRD).
Idioma oficial no Suriname é o holandes, mas a maioria fala o táki-táki, incompreensível. Eu me virava bem com o ingles mesmo.
O Suriname não é muito barato.

Entrou na Guiana Francesa, daí o sistema de alfandega é primeiro mundo, rápido, fácil, sem burocracia. Claro que é obrigatório um visto tirado no Consulado Frances no Brasil. Teve gente que me disse que não precisava, que dava prá arrumar lá na fronteira, não caiam nessa !! Fiz em SP, dá uma olhada no site, deu um pouco de trabalho, tem que ter seguro de saúde internacional, reserva de hotel em Cayenne (faz uma qualquer pela internet e depois cancela, só tem que mostrar o comprovante de reserva ), etc.. Não lembro preço do visto, mas tem no site deles. E o seguro internacional de saúde, tem de vários preços e não é caro

A primeira cidade na Guiana Francesa é Saint-Laurent-du- Marroni. Daí 260 km até Cayenne. No caminho tem Kourou, mas não recomendo. A Guiana Francesa é bem cara tudo em euro. Idioma frances, claro, mas com ingles dá prá se virar bem. Depois de Cayenne até Saint Georges (última cidade ) são 190 km. É uma cidade minúscula, tem que procurar lá o lugar prá fazer a papelada de saída. Prá atravessar pro Oiapoque tem uma belíssima ponte, mas não tá funcionando. E tem uma única balsa. É mais fácil atravessar as motos nas canoas mesmo, com cuidado !!

Pronto entrou no Brasil. Do Oiapoque a Calçoene 220 km, sendo 130 de barro (talvez esteja bom, quando fui tava ruim).
Calçoene a Tartarugalzinho 130 km.
De Tartarugalzinho a Ferreira Gomes (essa é melhor prá ficar, tem pousada legal na beira-rio) 100 km.
De Ferreira Gomes a Macapá 130 km.

Infelizmente o Amapá é o estado mais perigoso do Brasil . Lembrem-se disso.

E como vão sair depois, de barco ? Macapá a Belém, 24 hs.

Bom acho que respondi tudo.
Fiquem a vontade se quiserem saber mais. "



Por isso dizem que "conhecimento compartilhado é conhecimento ampliado", registro as viagens aqui no blog para que tbm sirvam de base para outros motociclistas... bem, burocracia é o que não falta rsrs espero lembrar de tudo isso :)

Faltam 112 dias o/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A primeira de muitas - Ponta Grossa, Curitiba e Antonina - 07 a 11 de Julho

Como diz Fernando Pessoa, "a vida é o que fazemos dela", e para viajantes, a fazemos muito mais bonita!

Assim foram os dias 07 a 11 de Julho, onde o Cassiano e eu percorremos as estradas de São Paulo e Paraná. Certa vez li que uma viagem vem para nos tornar conhecedores de si mesmos e sinceros nas atitudes, e essa viagem veio pra solidificar ainda mais nosso sentimento, proporcionar conhecer ainda mais um ao outro, sentir nossa alegria em estar junto e dar a certeza que desejamos muitos e muitos kms de alegria, as vezes cada um com sua moto...as vezes os dois em uma moto...de ônibus...a pé...não importa, o que vale é estarmos sempre cheios de expectativas e abertos para as novas experiências que estão surgindo.

Mas senta que lá vem história...

No dia 7 saí de Jundiaí e fui encontrá-lo em Capão Bonito, de lá seguimos pra Ponta Grossa, nosso primeiro destino. Nosso objetivo por lá era conhecer a Abadia da Ressurreição, um mosteiro muito bonito cujos monges belamente apresentam…

Uma pessoa especial...

Sou uma motociclista que sempre foi independente, dona de si e que se esforça em realizar os sonhos de estrada, mas tbm sou uma mulher que, junto com as aventuras de ir longe...tbm sonha em ter a cia de alguém especial, que encontre um sorriso ao lado quando acordar em algum hotel por aí, alguém que queira dividir momentos, sonhos, família e muito carinho.

A música abaixo do Paolo representa bem o que eu sentia:

"Quero uma pessoa como eu Que me aceite como eu sou Que precise de carinho e de amor Quero uma pessoa como eu Que aprenda a me escutar Que entenda o que diz o meu olhar Que não fique por ficar Quero alguém afim de viajar no por do sol
Que acenda no meu céu todas as estrelas do prazer
Eu só quero alguém pra me seguir Pra chorar e pra sorrir, aonde eu for Que não goste de mentir, que não saiba nem fingir Que me de muito valor na hora que eu me entregar
Mas eu só quero alguém pra me seguir Pra chorar e pra sorrir, aonde eu for Que não goste de mentir, que não saiba nem fingi…

15/11 - O dia que as coisas não saíram como o planejado

"Se algo pode dar errado, dará!" 
Esta é a famosa lei de Murphy, e é impressionante como se contextualiza em viagens de moto. No nosso Giro não poderia ser diferente, e pra falar a verdade, ela veio a tona dia 15/11 , o dia em que NADA deveria ter dado errado.

Bem, saímos pela manhã do hotel Liporaca, em Rio Gallegos.


O Alfredo estava tbm quase pronto pra sair, mas como ele anda muito e estava com uma BMW fomos na frente, mas não demorou muito para que nos alcançasse.

Nos ajudou muito explicando como proceder na Aduana, pois neste trecho passamos pelo Chile, acredito que menos 300 kms, mas é necessário seguir os procedimentos de entrada e saída do país.

O dia já não começou muito bem quando pedi a caneta emprestada do atendente chileno. Ele emprestou e falou para devolver, ok, mas emprestei pra um dos colegas, que foi passando para outro, e para outro, e depois chegou um ônibus... todo mundo usando... quando fui ser atendida, qual a primeira coisa que o atendente pediu? A …