Pular para o conteúdo principal

03/11 - De Porto Alegre ao Chuí

Nosso quarto dia de viagem foi excelente e rendeu bem, ficamos num bom hotel em Porto Alegre e saímos cedo para cumprir o objetivo de chegar ao Chuí.



E ahaaa, XT pega em flagrante, não é só a Lander que se desmonta pelo caminho :-P


O único lugar que pagamos pedágio foi na saída de Porto Alegre, e foi caro, R$ 6,30 se não me engano, para moto. Do restante, em alguns lugares liberam na própria cabine, em outros tem a passagem lateral para moto. A estrada é simples, mas está em bom estado, não tivemos problemas nenhum no caminho. A não ser um chuvisqueiro que começou a perseguir por um trecho.


A primeira vez que vimos a placa com a quilometragem para o Chuí foi uma emoção. Para quem não conhece, Chuí é a cidade mais ao sul do Brasil, fronteira com o Uruguai, já li vários relatos de motociclistas que vão para lá, e foi uma emoção tbm estar nesse caminho.




A medida que as placas vão aparecendo, a sensação é que o sonho está realmente tomando forma *-*


E sempre que possível registrando nossa passagem \o/



E finalmente missão cumprida, tudo certo até a fronteira.







Nos hospedamos no hotel Turis Fiper, e foi uma boa, pois tem garagem e o Sérgio Fernandez, responsável por lá, foi excelente no atendimento.

Neste mesmo dia, o Kpot e eu compramos a Carta Verde, para alguns, que possuem seguro da Porto Seguro, foi menos de R$ 100 comprando antecipado, para nós, que precisamos comprar na hora para um mês, foi R$240, com um cara no posto Ipiranga na entrada da cidade. Em frente o posto tinha uma moça que vendia e pediu R$300, então fica a dica o/


Para comemorar e já entrar no clima, fomos jantar pizza do lado Uruguaio, visto que o que separa o Chuí brasileiro do Chuy Uruguaio, é apenas um canteiro na avenida. E estava muuuuito bom, esse formato/tamanho chamam de pizza de meio metro.


Bem, até este momento, no Brasil, todas as cidades foram passagem, a partir daqui é que as coisas realmente começam a ficar divertidas ;-) bora lá o/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um tombo que não estava nos planos =/

Bem, já deu pra perceber que desafio pouco é para os fracos né, nossa viagem está levando essa palavra muito a sério rsrs. Antes de mais nada quero deixar claro que estou bem, mesmo !!! Não avisei nada antes para não preocupar ninguém, só estou colocando no blog porque faz parte do Giro né rsrs Depois de nos encantarmos com a estrada incrível de Puerto Maldonado a Cusco, faltando uns 100 kms para o destino final sofri um acidente. Numa curva simples a roda dianteira escorregou na faixa central e fui direto pro guardrail. Lembro que quando estava caindo só ficava pensando em me encolher pra tentar passar por baixo do guardrail, estava sentindo ir deslizando pelo asfalto por alguns metros e ouvindo o barulho da moto tbm no chão. O Carlos fala que dei uma pancada  nos ferros e a moto passou a meio metro de me atropelar, mas felizmente o pior não aconteceu. Só me dei conta quando estava já no canteiro, deitada e com muita dor no lado direito. tirei o capacete e em poucos segu

13/11 - De Puerto Pirámides a Caleta Olivia

Durante o planejamento da viagem fiquei bem tranquila, mas na véspera da saída, sinceramente, o receio e o medo do que estava por vir ficaram constantes nos meus pensamentos. Tinha medo de uma viagem tão longa num grupo de 5 pessoas, tinha medo de não atingir nossas expectativas ou de novamente sofrer algum acidente. Medo de possíveis conflitos de relacionamento, personalidade, medo de problemas que pudéssemos ter, medo de a moto não aguentar a viagem e, principalmente, medo de não conseguir realizar esse objetivo. Havia lido muito sobre o caminho, as adversidades, as dificuldades... cada relato tinha uma característica, e nunca é fácil a superação. Mas justamente deixar os medos pra trás é o que separa as pessoas que sonham das que realizam. Uma das principais dificuldades do caminho, especificamente, é o vento, mas vamos por partes... Depois do acidente do Kpot, passamos em Puerto Madryn para comprar outro retrovisor para a Teneré, e aliás, que cidade linda! Em Puerto Madr

Vlog Rumo aos Sonhos - Episódio 010 e 011 - Um bate papo sobre a Lander

Não é todo dia que encontramos uma moto com quase 270 mil kms rodados, e essa é a atual quilometragem da minha Lander. Peguei a motoca zero km no dia 25/01/2014, meu objetivo era ter uma moto novinha para a primeira viagem para o exterior, o Giro Latino, que já está registrado aqui no blog. Desde então tivemos a chance de percorrer juntas 9 países aqui da América Latina, sem contar a parceria dia a dia nas idas ao trabalho, faculdade e muito mais. Já foram muitos kms de alegria, e fico na expectativa para que venham muito mais! Devido essa alta quilometragem, muitos me perguntam sobre as manutenções que faço, se já fiz o motor...então para esclarecer todas as dúvidas, decidi fazer dois vídeos relacionados. O Episódio 010 respondo a clássica pergunta se já fiz o motor da Lander, e sim, já fiz, com 176 mil kms. Quando tinha 100 mil kms, o eixo da rosca do pinhão espanou e rodei 76 mil kms com o pinhão soldado. Para resolver o problema de uma vez por todas, fizemos o evento do QG da