Pular para o conteúdo principal

03/11 - De Porto Alegre ao Chuí

Nosso quarto dia de viagem foi excelente e rendeu bem, ficamos num bom hotel em Porto Alegre e saímos cedo para cumprir o objetivo de chegar ao Chuí.



E ahaaa, XT pega em flagrante, não é só a Lander que se desmonta pelo caminho :-P


O único lugar que pagamos pedágio foi na saída de Porto Alegre, e foi caro, R$ 6,30 se não me engano, para moto. Do restante, em alguns lugares liberam na própria cabine, em outros tem a passagem lateral para moto. A estrada é simples, mas está em bom estado, não tivemos problemas nenhum no caminho. A não ser um chuvisqueiro que começou a perseguir por um trecho.


A primeira vez que vimos a placa com a quilometragem para o Chuí foi uma emoção. Para quem não conhece, Chuí é a cidade mais ao sul do Brasil, fronteira com o Uruguai, já li vários relatos de motociclistas que vão para lá, e foi uma emoção tbm estar nesse caminho.




A medida que as placas vão aparecendo, a sensação é que o sonho está realmente tomando forma *-*


E sempre que possível registrando nossa passagem \o/



E finalmente missão cumprida, tudo certo até a fronteira.







Nos hospedamos no hotel Turis Fiper, e foi uma boa, pois tem garagem e o Sérgio Fernandez, responsável por lá, foi excelente no atendimento.

Neste mesmo dia, o Kpot e eu compramos a Carta Verde, para alguns, que possuem seguro da Porto Seguro, foi menos de R$ 100 comprando antecipado, para nós, que precisamos comprar na hora para um mês, foi R$240, com um cara no posto Ipiranga na entrada da cidade. Em frente o posto tinha uma moça que vendia e pediu R$300, então fica a dica o/


Para comemorar e já entrar no clima, fomos jantar pizza do lado Uruguaio, visto que o que separa o Chuí brasileiro do Chuy Uruguaio, é apenas um canteiro na avenida. E estava muuuuito bom, esse formato/tamanho chamam de pizza de meio metro.


Bem, até este momento, no Brasil, todas as cidades foram passagem, a partir daqui é que as coisas realmente começam a ficar divertidas ;-) bora lá o/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A primeira de muitas - Ponta Grossa, Curitiba e Antonina - 07 a 11 de Julho

Como diz Fernando Pessoa, "a vida é o que fazemos dela", e para viajantes, a fazemos muito mais bonita!

Assim foram os dias 07 a 11 de Julho, onde o Cassiano e eu percorremos as estradas de São Paulo e Paraná. Certa vez li que uma viagem vem para nos tornar conhecedores de si mesmos e sinceros nas atitudes, e essa viagem veio pra solidificar ainda mais nosso sentimento, proporcionar conhecer ainda mais um ao outro, sentir nossa alegria em estar junto e dar a certeza que desejamos muitos e muitos kms de alegria, as vezes cada um com sua moto...as vezes os dois em uma moto...de ônibus...a pé...não importa, o que vale é estarmos sempre cheios de expectativas e abertos para as novas experiências que estão surgindo.

Mas senta que lá vem história...

No dia 7 saí de Jundiaí e fui encontrá-lo em Capão Bonito, de lá seguimos pra Ponta Grossa, nosso primeiro destino. Nosso objetivo por lá era conhecer a Abadia da Ressurreição, um mosteiro muito bonito cujos monges belamente apresentam…

Uma pessoa especial...

Sou uma motociclista que sempre foi independente, dona de si e que se esforça em realizar os sonhos de estrada, mas tbm sou uma mulher que, junto com as aventuras de ir longe...tbm sonha em ter a cia de alguém especial, que encontre um sorriso ao lado quando acordar em algum hotel por aí, alguém que queira dividir momentos, sonhos, família e muito carinho.

A música abaixo do Paolo representa bem o que eu sentia:

"Quero uma pessoa como eu Que me aceite como eu sou Que precise de carinho e de amor Quero uma pessoa como eu Que aprenda a me escutar Que entenda o que diz o meu olhar Que não fique por ficar Quero alguém afim de viajar no por do sol
Que acenda no meu céu todas as estrelas do prazer
Eu só quero alguém pra me seguir Pra chorar e pra sorrir, aonde eu for Que não goste de mentir, que não saiba nem fingir Que me de muito valor na hora que eu me entregar
Mas eu só quero alguém pra me seguir Pra chorar e pra sorrir, aonde eu for Que não goste de mentir, que não saiba nem fingi…

15/11 - O dia que as coisas não saíram como o planejado

"Se algo pode dar errado, dará!" 
Esta é a famosa lei de Murphy, e é impressionante como se contextualiza em viagens de moto. No nosso Giro não poderia ser diferente, e pra falar a verdade, ela veio a tona dia 15/11 , o dia em que NADA deveria ter dado errado.

Bem, saímos pela manhã do hotel Liporaca, em Rio Gallegos.


O Alfredo estava tbm quase pronto pra sair, mas como ele anda muito e estava com uma BMW fomos na frente, mas não demorou muito para que nos alcançasse.

Nos ajudou muito explicando como proceder na Aduana, pois neste trecho passamos pelo Chile, acredito que menos 300 kms, mas é necessário seguir os procedimentos de entrada e saída do país.

O dia já não começou muito bem quando pedi a caneta emprestada do atendente chileno. Ele emprestou e falou para devolver, ok, mas emprestei pra um dos colegas, que foi passando para outro, e para outro, e depois chegou um ônibus... todo mundo usando... quando fui ser atendida, qual a primeira coisa que o atendente pediu? A …