Pular para o conteúdo principal

28/03 - de Chapecó SC a Cajati SP

Queríamos fazer esse o último dia de viagem, mas o corpo já não aguentava mais e conseguimos chegar apenas um pouco depois de Curitiba.

Saímos pela manhã de Chapecó  :-) mais um dia de mto asfalto ...



Rsrsrs tadinha da Lander, nem parecia que era tão novinha rsrs


E mais placas de divisa, ahhh não resistimos \o/


Almoçamos na estrada e sem perder tempo, tocada forte e ansiedade mil!!!


Mas antes da serra uma surpresa para nos atrasar, um caminhão de batata tombado na rodovia, é impressionante como tem acidente nesse trecho, terceira vez que passei de moto e segunda vez com acidente =/




Depois de recolherem um pouco da sujeira liberaram as motos passar, tinham 3 motociclistas por lá com motos grandes, estavam voltando do Atacama, dispararam rapidinho na frente rsrsrs

Como essa aventura não poderia terminar tão fácil, quase tomei multa, meu farol estava apagado e um policial rodoviário nos parou, já pensou tomar multa depois de tudo isso de estrada? Bem, o Boni tinha lâmpada para trocar, mas era o plug do farol que havia escapado, talvez com a vibração... sei lá, acertamos isso e ufa... nada de mais gastos indevidos rsrs mas claro que não poderia faltar a foto da zueira né =/



Continuamos rodando... rodando... o sol se pondo...



logo anoiteceu e começou nossa zica, de novo rsrs nessa Serra não tem nada, isso eu sabia, só não lembrava que era tão cumprida ¬¬' . Já havia anoitecido e depois de um tempão paramos num hotelzinho num posto que parecia ser ruim demais, mas seria um porto seguro, maaaasss com aquela... "se vc quiser rodar mais eu topo"... ambos caímos na besteira de querer continuar a viagem e procurar coisa melhor, na serra, de noite e agora com chuva ¬¬' rodamos... rodamos... demorou uns 80 kms para chegarmos encharcados e já brigando um com o outro em outro hotel fulera kkkkk bem, brigando não, eu só dava risada e levava bronca kkkk mas assumo, meu pneu não tinha mais nenhum cravo, estava totalmente careca, eu, com medo de curva, com farol ruim, a noite, chovendo e numa serra.... andei a 40kms e olhe lá

Pode me dar bronca, mas nessa hora eu queria prezar pela segurança, mesmo que enchesse o saco =/

Enfim, depois de um tempão chegamos num posto com vários caminhoneiros e mulheres para agradá-los sabe... rsrsrs mas dessa vez nada de sair de novo, nada de trocar o certo pelo duvidoso kkkk ficamos por lá mesmo, tendo janta, chuveiro e cama... não queríamos mais nada rsrsrs.

Mais uma coisa a anotar para as próximas viagens: nada de trocar o certo pelo duvidoso mesmo!!! Se tá anoitecendo, fica onde está, afinal... se já está ruim... acredite, com chuva tudo pode piorar rsrsrsrs.

Comentários

  1. kkkkkkkkkkkkk sempre assim.... noite caindo e "só vamos rodar uns 80 Km, rapidinho"...rs Acontece com os melhores pilotos...rs Roiagem de viagem...rs

    haendel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkk é que comprar terreno em todos os países que passamos foi pouco sabe, tinha que aprontar um pouco mais rsrsrs

      Excluir
  2. Acerta lá o título, é Chapecó-SC.
    Já fiz essa besteira algumas vezes, infelizmente a gente não aprende, nada está tão ruim que não pode piorar, serra + noite +chuva, combinação muito perigosa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ops, tem razão Nelson, corrigido rsrs

      É, e o pior é que a gente nunca aprende kkkkk

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A primeira de muitas - Ponta Grossa, Curitiba e Antonina - 07 a 11 de Julho

Como diz Fernando Pessoa, "a vida é o que fazemos dela", e para viajantes, a fazemos muito mais bonita!

Assim foram os dias 07 a 11 de Julho, onde o Cassiano e eu percorremos as estradas de São Paulo e Paraná. Certa vez li que uma viagem vem para nos tornar conhecedores de si mesmos e sinceros nas atitudes, e essa viagem veio pra solidificar ainda mais nosso sentimento, proporcionar conhecer ainda mais um ao outro, sentir nossa alegria em estar junto e dar a certeza que desejamos muitos e muitos kms de alegria, as vezes cada um com sua moto...as vezes os dois em uma moto...de ônibus...a pé...não importa, o que vale é estarmos sempre cheios de expectativas e abertos para as novas experiências que estão surgindo.

Mas senta que lá vem história...

No dia 7 saí de Jundiaí e fui encontrá-lo em Capão Bonito, de lá seguimos pra Ponta Grossa, nosso primeiro destino. Nosso objetivo por lá era conhecer a Abadia da Ressurreição, um mosteiro muito bonito cujos monges belamente apresentam…

Uma pessoa especial...

Sou uma motociclista que sempre foi independente, dona de si e que se esforça em realizar os sonhos de estrada, mas tbm sou uma mulher que, junto com as aventuras de ir longe...tbm sonha em ter a cia de alguém especial, que encontre um sorriso ao lado quando acordar em algum hotel por aí, alguém que queira dividir momentos, sonhos, família e muito carinho.

A música abaixo do Paolo representa bem o que eu sentia:

"Quero uma pessoa como eu Que me aceite como eu sou Que precise de carinho e de amor Quero uma pessoa como eu Que aprenda a me escutar Que entenda o que diz o meu olhar Que não fique por ficar Quero alguém afim de viajar no por do sol
Que acenda no meu céu todas as estrelas do prazer
Eu só quero alguém pra me seguir Pra chorar e pra sorrir, aonde eu for Que não goste de mentir, que não saiba nem fingir Que me de muito valor na hora que eu me entregar
Mas eu só quero alguém pra me seguir Pra chorar e pra sorrir, aonde eu for Que não goste de mentir, que não saiba nem fingi…

15/11 - O dia que as coisas não saíram como o planejado

"Se algo pode dar errado, dará!" 
Esta é a famosa lei de Murphy, e é impressionante como se contextualiza em viagens de moto. No nosso Giro não poderia ser diferente, e pra falar a verdade, ela veio a tona dia 15/11 , o dia em que NADA deveria ter dado errado.

Bem, saímos pela manhã do hotel Liporaca, em Rio Gallegos.


O Alfredo estava tbm quase pronto pra sair, mas como ele anda muito e estava com uma BMW fomos na frente, mas não demorou muito para que nos alcançasse.

Nos ajudou muito explicando como proceder na Aduana, pois neste trecho passamos pelo Chile, acredito que menos 300 kms, mas é necessário seguir os procedimentos de entrada e saída do país.

O dia já não começou muito bem quando pedi a caneta emprestada do atendente chileno. Ele emprestou e falou para devolver, ok, mas emprestei pra um dos colegas, que foi passando para outro, e para outro, e depois chegou um ônibus... todo mundo usando... quando fui ser atendida, qual a primeira coisa que o atendente pediu? A …