Pular para o conteúdo principal

21/03 - de Uyuni a Villazón - Bolívia

Dizem que não existe felicidade e sim momentos felizes, e são esses que ficam gravados em nossa memória e coração. É curioso pensar nisso porque mesmo já fazendo vários dias que voltamos da  viagem, ainda é possível lembrar a aventura e os desafios dia a dia, e trago mais um aqui pro blog, quando fomos de Uyuni a Villazón - Bolívia.

Para pegarmos apenas asfalto saímos de Uyuni pegando a estrada pra Potosí novamente, aquela mesma que nos havia deixado encantados anteriormente, ver de um outro ângulo só revelava novas paisagens, ficando a cada quilometro mais linda *-* mas dessa vez resistimos a parar de metro em metro pra tirar foto rsrs indo  direto a Potosí.

Em Potosí almoçamos praticamente no meio da rua, enquanto temos barracas que vendem lanches, churrasquinho e coisas do tipo, lá servia comida mesmo, e sinceramente, tava melhor que muito restaurante!!! Uma encorpada sopa de macarrão com legumes e suco de pêssego, nunca fui muito fã de sopa, mas nessa hora qualquer coisa desce rsrs 



E ainda lembro da senhora que nos serviu tirando um sarro de mim, dizendo que eu não ia crescer mais, poderia sentar pra comer tranquila rsrsrs Se reparar bem na foto abaixo da pra ver a borda da saia da senhora atrás da mesa, ela via a câmera e logo começava a rir e se esconder kkkkk


Tivemos trabalho para sair de Potosí, como toda cidade boliviana um pouco maior ... o trânsito é caótico, faltam placas e informações. Como estávamos sem GPS o jeito foi perguntar onde era a saída para Tupiza, e cada um nos mandava para um canto da cidade. Perdemos um booom tempo nisso, infelizmente, mas no fim deu tudo certo. Uma coisa curiosa é que parada no trânsito mesmo, algumas pessoas passando na calçada davam as boas vindas a cidade kkkkk gesto muito interessante, mas mal sabiam que o que queríamos mesmo era dar o fora de lá o quanto antes kkkkkk, mas essa situação me fez lembrar das muitas histórias que ouvimos sobre a falta de receptividade e problemas na Bolívia, fomos privilegiados porque não tivemos nenhum, exceto o picareta do pedágio saindo de Potosí mesmo, paramos pra perguntar e ele foi o único que nos cobrou em todo o país, 2 bolivianos por moto, papo muito estranho ¬¬'

A estrada entre Potozí e Tupiza tem um ótimo asfalto, algumas partes parecem concreto mas é boa tbm, só precisa de atenção nas subidas pois alguns trechos há manchas de pneu que se misturam as manchas de óleo, então cada curva requer muito cuidado, e curva... é o que não falta.


A paisagem mudou drasticamente na descida, era uma relva baixinha, empoeirada e meio seca, típica de clima desértico. Há poucos vilarejos ao longo do caminho e não passamos por nenhum posto de gasolina, abastecemos apenas em Tupiza mesmo, imagine minha preocupação, tanque na reserva e nada de cidades e postos, mas como não dá pra puxar muito na velocidade ela fez uma boa média e chegou bem no posto. Em Tupiza foi o único posto que nos deu nota com a quantidade de combustível comprada. Explicaram que este é um requisito para estrangeiro porque nas "Pesages" (pedágios) podem pedir para saber quanto foi abastecido, fiscalizando assim possíveis contrabandos de gasolina.



No caminho de Tupiza a Villazón (a última cidade boliviana) tbm sem surpresas e sem grandes mudanças na paisagem.



Chegamos em Villazón perto das 19 hs, e com o receio do que nos aguardava na Argentina tomamos a pior decisão da viagem: Nos hospedarmos por lá e passar na fronteira apenas no dia seguinte. Ficamos no hotel central, um bom hotel mas com o mesmo problema que encontramos em todos de Villazón: não tinha wi-fi =/ . Ahhh pagamos 90 bolivianos cada pela hospedagem.

Uma coisa curiosa foi uma "apresentação" nas ruas por lá, depois descobri que era aniversário do colégio da cidade e alunos e professores estavam rodando por todo o centro, acho que isso já é algo que se perdeu aqui no Brasil.


Bem, até aqui foram 6883.8 kms, mas vamos que vamos pq ainda tem muito chão pra rodar ;-)


Comentários

  1. Perrengues.... Sempre eles!..rs O relato continua excelente!
    haendel.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A primeira de muitas - Ponta Grossa, Curitiba e Antonina - 07 a 11 de Julho

Como diz Fernando Pessoa, "a vida é o que fazemos dela", e para viajantes, a fazemos muito mais bonita!

Assim foram os dias 07 a 11 de Julho, onde o Cassiano e eu percorremos as estradas de São Paulo e Paraná. Certa vez li que uma viagem vem para nos tornar conhecedores de si mesmos e sinceros nas atitudes, e essa viagem veio pra solidificar ainda mais nosso sentimento, proporcionar conhecer ainda mais um ao outro, sentir nossa alegria em estar junto e dar a certeza que desejamos muitos e muitos kms de alegria, as vezes cada um com sua moto...as vezes os dois em uma moto...de ônibus...a pé...não importa, o que vale é estarmos sempre cheios de expectativas e abertos para as novas experiências que estão surgindo.

Mas senta que lá vem história...

No dia 7 saí de Jundiaí e fui encontrá-lo em Capão Bonito, de lá seguimos pra Ponta Grossa, nosso primeiro destino. Nosso objetivo por lá era conhecer a Abadia da Ressurreição, um mosteiro muito bonito cujos monges belamente apresentam…

15/11 - O dia que as coisas não saíram como o planejado

"Se algo pode dar errado, dará!" 
Esta é a famosa lei de Murphy, e é impressionante como se contextualiza em viagens de moto. No nosso Giro não poderia ser diferente, e pra falar a verdade, ela veio a tona dia 15/11 , o dia em que NADA deveria ter dado errado.

Bem, saímos pela manhã do hotel Liporaca, em Rio Gallegos.


O Alfredo estava tbm quase pronto pra sair, mas como ele anda muito e estava com uma BMW fomos na frente, mas não demorou muito para que nos alcançasse.

Nos ajudou muito explicando como proceder na Aduana, pois neste trecho passamos pelo Chile, acredito que menos 300 kms, mas é necessário seguir os procedimentos de entrada e saída do país.

O dia já não começou muito bem quando pedi a caneta emprestada do atendente chileno. Ele emprestou e falou para devolver, ok, mas emprestei pra um dos colegas, que foi passando para outro, e para outro, e depois chegou um ônibus... todo mundo usando... quando fui ser atendida, qual a primeira coisa que o atendente pediu? A …

Vlog Rumo aos Sonhos - Episódio 010 e 011 - Um bate papo sobre a Lander

Não é todo dia que encontramos uma moto com quase 270 mil kms rodados, e essa é a atual quilometragem da minha Lander. Peguei a motoca zero km no dia 25/01/2014, meu objetivo era ter uma moto novinha para a primeira viagem para o exterior, o Giro Latino, que já está registrado aqui no blog.

Desde então tivemos a chance de percorrer juntas 9 países aqui da América Latina, sem contar a parceria dia a dia nas idas ao trabalho, faculdade e muito mais. Já foram muitos kms de alegria, e fico na expectativa para que venham muito mais!

Devido essa alta quilometragem, muitos me perguntam sobre as manutenções que faço, se já fiz o motor...então para esclarecer todas as dúvidas, decidi fazer dois vídeos relacionados.

O Episódio 010 respondo a clássica pergunta se já fiz o motor da Lander, e sim, já fiz, com 176 mil kms. Quando tinha 100 mil kms, o eixo da rosca do pinhão espanou e rodei 76 mil kms com o pinhão soldado. Para resolver o problema de uma vez por todas, fizemos o evento do QG da Ofic…