Pular para o conteúdo principal

18/03 - do distrito de La Paz a Potosí

Por que é que fazemos isso? Sempre que estou numa situação muito ruim viajando de moto me pergunto isso, e então, por que é que fazemos essas viagens loucas, em baixo de chuva ou de sol, na terra ou no asfalto, no frio ou no calor?

A viagem de La Paz a Potosí foi difícil, muito difícil!!! No dia anterior ficou a frustração de não ter conseguido ir para a Estrada da Morte, eu ainda estava com dores na perna e no braço, a estrada de La Paz a Oruro está em obras e por isso muito ruim... cheia de desvios, o trânsito em Oruro não ajudou, dezenas de curvas nos últimos 200 kms que fizeram a viagem não render, sem almoço... e muito, muito frio!!!


Em Oruro encontramos o único posto em toda a viagem que se recusou a abastecer por sermos estrangeiros. De Oruro pra frente o asfalto voltou a ficar bom, abastecemos em Pazña. Muitos deixam de ir na Bolívia por causa dessa restrição de abastecimento, mas sinceramente só ir em postos menores que não enfrenta problemas com combustível, e esses tem aos montes.

Apesar do cansaço extremo ainda foi possível apreciar as paisagens, e são sempre de encher os olhos, no fim tudo vale a pena!!!










Chegamos em Potosí no final da tarde, como toda cidade maior o trânsito é mto ruim, mas nisso já estamos calejados. Ficamos no hotel perto da praça central, e nesse momento foi o que mais senti o mal da altitude, o quarto era no terceiro andar, e foi duro respirar, a cada 10 passos era uma luta, chegava no quarto, capotava na cama com uma moleza enorme e muito cansaço. Sensação muito esquisita rsrs.



Apesar das atribulações um comentário de um amigo (o Haendel) no facebook fez toda a diferença, foi um revigoramento enoooooorrrrrme, disse assim: "Calma que essa sensação de 'o que eu to fazendo aqui' passa, a sua humanidade aflora novamente e vc descobre que seus limites aumentaram". Nesse momento lembrei exatamente da resposta para a pergunta inicial que fiz no post, "por que fazemos isso?" Bem, simplesmente porque apesar de todos os desafios não me imagino não fazendo, e pra quem lê esse comentário e tbm tem esse sentimento sabe que com sorriso no rosto ou com as dores do esforço faremos isso até o último dia das nossas vidas, como dizem os Fazedores de Chuva, somos "espíritos inquietos", e precisa de muito mais para nos desanimar.

Bora bora, o Salar está chegando ;-)

* Todas as fotos são créditos do Carlos, nesse dia eu estava de saco cheio até pra tirar foto rsrs

Comentários

  1. Putz... Que honra ser citado no seu blog!! E uma satisfação ter ajudado. Eu realmente quis que as palavras chegassem a vc num momento em que fossem úteis (que sorte que isso realmente aconteceu), mas não esperava que realmente tivessem ajudado de forma efetiva. A preocupação era justamente ser algo mais que um "vai lá, garota"(por melhor que seja dizer apenas isso..rs).

    Além do habitual parabéns, só posso dizer obrigado! E conte comigo!

    haendel.

    ResponderExcluir
  2. Menina.
    Acredito que quando tu sobes na tua BRANQUINHA, metade ou quase todo esse cansaço passa, o vento no rosto, estrada pela frente,novas paisagens e o prazer de conhecer novos lugares, isso não tem coisa no mundo que pague.
    Muito obrigado pelas lindas fotos, e relatos.
    Carlos, continue a cuidar dessa menina.
    ABRAÇOS E BOAS ESTRADAS .

    ResponderExcluir
  3. O que estou fazendo aqui??? A resposta é simples: Estou vivendo!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A primeira de muitas - Ponta Grossa, Curitiba e Antonina - 07 a 11 de Julho

Como diz Fernando Pessoa, "a vida é o que fazemos dela", e para viajantes, a fazemos muito mais bonita!

Assim foram os dias 07 a 11 de Julho, onde o Cassiano e eu percorremos as estradas de São Paulo e Paraná. Certa vez li que uma viagem vem para nos tornar conhecedores de si mesmos e sinceros nas atitudes, e essa viagem veio pra solidificar ainda mais nosso sentimento, proporcionar conhecer ainda mais um ao outro, sentir nossa alegria em estar junto e dar a certeza que desejamos muitos e muitos kms de alegria, as vezes cada um com sua moto...as vezes os dois em uma moto...de ônibus...a pé...não importa, o que vale é estarmos sempre cheios de expectativas e abertos para as novas experiências que estão surgindo.

Mas senta que lá vem história...

No dia 7 saí de Jundiaí e fui encontrá-lo em Capão Bonito, de lá seguimos pra Ponta Grossa, nosso primeiro destino. Nosso objetivo por lá era conhecer a Abadia da Ressurreição, um mosteiro muito bonito cujos monges belamente apresentam…

Uma pessoa especial...

Sou uma motociclista que sempre foi independente, dona de si e que se esforça em realizar os sonhos de estrada, mas tbm sou uma mulher que, junto com as aventuras de ir longe...tbm sonha em ter a cia de alguém especial, que encontre um sorriso ao lado quando acordar em algum hotel por aí, alguém que queira dividir momentos, sonhos, família e muito carinho.

A música abaixo do Paolo representa bem o que eu sentia:

"Quero uma pessoa como eu Que me aceite como eu sou Que precise de carinho e de amor Quero uma pessoa como eu Que aprenda a me escutar Que entenda o que diz o meu olhar Que não fique por ficar Quero alguém afim de viajar no por do sol
Que acenda no meu céu todas as estrelas do prazer
Eu só quero alguém pra me seguir Pra chorar e pra sorrir, aonde eu for Que não goste de mentir, que não saiba nem fingir Que me de muito valor na hora que eu me entregar
Mas eu só quero alguém pra me seguir Pra chorar e pra sorrir, aonde eu for Que não goste de mentir, que não saiba nem fingi…

15/11 - O dia que as coisas não saíram como o planejado

"Se algo pode dar errado, dará!" 
Esta é a famosa lei de Murphy, e é impressionante como se contextualiza em viagens de moto. No nosso Giro não poderia ser diferente, e pra falar a verdade, ela veio a tona dia 15/11 , o dia em que NADA deveria ter dado errado.

Bem, saímos pela manhã do hotel Liporaca, em Rio Gallegos.


O Alfredo estava tbm quase pronto pra sair, mas como ele anda muito e estava com uma BMW fomos na frente, mas não demorou muito para que nos alcançasse.

Nos ajudou muito explicando como proceder na Aduana, pois neste trecho passamos pelo Chile, acredito que menos 300 kms, mas é necessário seguir os procedimentos de entrada e saída do país.

O dia já não começou muito bem quando pedi a caneta emprestada do atendente chileno. Ele emprestou e falou para devolver, ok, mas emprestei pra um dos colegas, que foi passando para outro, e para outro, e depois chegou um ônibus... todo mundo usando... quando fui ser atendida, qual a primeira coisa que o atendente pediu? A …