Pular para o conteúdo principal

18/03 - do distrito de La Paz a Potosí

Por que é que fazemos isso? Sempre que estou numa situação muito ruim viajando de moto me pergunto isso, e então, por que é que fazemos essas viagens loucas, em baixo de chuva ou de sol, na terra ou no asfalto, no frio ou no calor?

A viagem de La Paz a Potosí foi difícil, muito difícil!!! No dia anterior ficou a frustração de não ter conseguido ir para a Estrada da Morte, eu ainda estava com dores na perna e no braço, a estrada de La Paz a Oruro está em obras e por isso muito ruim... cheia de desvios, o trânsito em Oruro não ajudou, dezenas de curvas nos últimos 200 kms que fizeram a viagem não render, sem almoço... e muito, muito frio!!!


Em Oruro encontramos o único posto em toda a viagem que se recusou a abastecer por sermos estrangeiros. De Oruro pra frente o asfalto voltou a ficar bom, abastecemos em Pazña. Muitos deixam de ir na Bolívia por causa dessa restrição de abastecimento, mas sinceramente só ir em postos menores que não enfrenta problemas com combustível, e esses tem aos montes.

Apesar do cansaço extremo ainda foi possível apreciar as paisagens, e são sempre de encher os olhos, no fim tudo vale a pena!!!










Chegamos em Potosí no final da tarde, como toda cidade maior o trânsito é mto ruim, mas nisso já estamos calejados. Ficamos no hotel perto da praça central, e nesse momento foi o que mais senti o mal da altitude, o quarto era no terceiro andar, e foi duro respirar, a cada 10 passos era uma luta, chegava no quarto, capotava na cama com uma moleza enorme e muito cansaço. Sensação muito esquisita rsrs.



Apesar das atribulações um comentário de um amigo (o Haendel) no facebook fez toda a diferença, foi um revigoramento enoooooorrrrrme, disse assim: "Calma que essa sensação de 'o que eu to fazendo aqui' passa, a sua humanidade aflora novamente e vc descobre que seus limites aumentaram". Nesse momento lembrei exatamente da resposta para a pergunta inicial que fiz no post, "por que fazemos isso?" Bem, simplesmente porque apesar de todos os desafios não me imagino não fazendo, e pra quem lê esse comentário e tbm tem esse sentimento sabe que com sorriso no rosto ou com as dores do esforço faremos isso até o último dia das nossas vidas, como dizem os Fazedores de Chuva, somos "espíritos inquietos", e precisa de muito mais para nos desanimar.

Bora bora, o Salar está chegando ;-)

* Todas as fotos são créditos do Carlos, nesse dia eu estava de saco cheio até pra tirar foto rsrs

Comentários

  1. Putz... Que honra ser citado no seu blog!! E uma satisfação ter ajudado. Eu realmente quis que as palavras chegassem a vc num momento em que fossem úteis (que sorte que isso realmente aconteceu), mas não esperava que realmente tivessem ajudado de forma efetiva. A preocupação era justamente ser algo mais que um "vai lá, garota"(por melhor que seja dizer apenas isso..rs).

    Além do habitual parabéns, só posso dizer obrigado! E conte comigo!

    haendel.

    ResponderExcluir
  2. Menina.
    Acredito que quando tu sobes na tua BRANQUINHA, metade ou quase todo esse cansaço passa, o vento no rosto, estrada pela frente,novas paisagens e o prazer de conhecer novos lugares, isso não tem coisa no mundo que pague.
    Muito obrigado pelas lindas fotos, e relatos.
    Carlos, continue a cuidar dessa menina.
    ABRAÇOS E BOAS ESTRADAS .

    ResponderExcluir
  3. O que estou fazendo aqui??? A resposta é simples: Estou vivendo!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A primeira de muitas - Ponta Grossa, Curitiba e Antonina - 07 a 11 de Julho

Como diz Fernando Pessoa, "a vida é o que fazemos dela", e para viajantes, a fazemos muito mais bonita! Assim foram os dias 07 a 11 de Julho, onde o Cassiano e eu percorremos as estradas de São Paulo e Paraná. Certa vez li que uma viagem vem para nos tornar conhecedores de si mesmos e sinceros nas atitudes, e essa viagem veio pra solidificar ainda mais nosso sentimento, proporcionar conhecer ainda mais um ao outro, sentir nossa alegria em estar junto e dar a certeza que desejamos muitos e muitos kms de alegria, as vezes cada um com sua moto...as vezes os dois em uma moto...de ônibus...a pé...não importa, o que vale é estarmos sempre cheios de expectativas e abertos para as novas experiências que estão surgindo. Mas senta que lá vem história... No dia 7 saí de Jundiaí e fui encontrá-lo em Capão Bonito, de lá seguimos pra Ponta Grossa, nosso primeiro destino. Nosso objetivo por lá era conhecer a Abadia da Ressurreição, um mosteiro muito bonito cujos monges belamente apres

13/11 - De Puerto Pirámides a Caleta Olivia

Durante o planejamento da viagem fiquei bem tranquila, mas na véspera da saída, sinceramente, o receio e o medo do que estava por vir ficaram constantes nos meus pensamentos. Tinha medo de uma viagem tão longa num grupo de 5 pessoas, tinha medo de não atingir nossas expectativas ou de novamente sofrer algum acidente. Medo de possíveis conflitos de relacionamento, personalidade, medo de problemas que pudéssemos ter, medo de a moto não aguentar a viagem e, principalmente, medo de não conseguir realizar esse objetivo. Havia lido muito sobre o caminho, as adversidades, as dificuldades... cada relato tinha uma característica, e nunca é fácil a superação. Mas justamente deixar os medos pra trás é o que separa as pessoas que sonham das que realizam. Uma das principais dificuldades do caminho, especificamente, é o vento, mas vamos por partes... Depois do acidente do Kpot, passamos em Puerto Madryn para comprar outro retrovisor para a Teneré, e aliás, que cidade linda! Em Puerto Madr

Vlog Rumo aos Sonhos - Episódio 010 e 011 - Um bate papo sobre a Lander

Não é todo dia que encontramos uma moto com quase 270 mil kms rodados, e essa é a atual quilometragem da minha Lander. Peguei a motoca zero km no dia 25/01/2014, meu objetivo era ter uma moto novinha para a primeira viagem para o exterior, o Giro Latino, que já está registrado aqui no blog. Desde então tivemos a chance de percorrer juntas 9 países aqui da América Latina, sem contar a parceria dia a dia nas idas ao trabalho, faculdade e muito mais. Já foram muitos kms de alegria, e fico na expectativa para que venham muito mais! Devido essa alta quilometragem, muitos me perguntam sobre as manutenções que faço, se já fiz o motor...então para esclarecer todas as dúvidas, decidi fazer dois vídeos relacionados. O Episódio 010 respondo a clássica pergunta se já fiz o motor da Lander, e sim, já fiz, com 176 mil kms. Quando tinha 100 mil kms, o eixo da rosca do pinhão espanou e rodei 76 mil kms com o pinhão soldado. Para resolver o problema de uma vez por todas, fizemos o evento do QG da