Pular para o conteúdo principal

17/03 - A Estrada da Morte que quase nos matou de frio

A Estrada da Morte, a estrada mais perigosa do mundo!!! Essa é a fama que liga a Estrada de La Paz a Coroico, e não são poucos os casos para fazer jus a esse nome. A Estrada possui 64 kms numa altitude de mais de 3640 metros. Foi construída por prisioneiros na década de 30, hoje conta com quase 84 anos de muitas aventuras e tragédias, mas deve ser incrível.... sim, deve, porque chegamos muito perto e simplesmente não pudemos ir =/

No dia 16 choveu muito em La Paz a noite, e no dia seguinte o dia estava incrível, gelado, mas incrível!!!


O Gustavo gentilmente nos levou em direção a estrada para pegarmos a Estrada da Morte, foi ótima a cia dele porque não seria fácil andar em La Paz sem GPS viu.

A saída de La Paz em direção a rodovia é de encher os olhos, simplesmente fantástica!!!






Numa parada perto da represa encontramos dezenas de ciclistas que tbm se arriscariam na famosa Estrada da Morte, o dia estava lindo, céu azul, temperatura agradável perto dos 15º C, o dia prometia ser perfeito, todo mundo na maior empolgação.


O Gustavo nos orientou e o Boni e eu partimos para a aventura, a cada curva mais deslumbrados com as paisagens







Até que depois de uma curva o tempo começou a ficar esquisito...


Uma nuvem/neblina persistente já nos impedia de ver o horizonte...


mas ok, vamos continuar... logo passa...


mas não passou, durante uns 20 kms rodamos com a neblina e pouco depois uma chuvinha chata, que foi engrossando... engrossando.... e nós sem capa de chuva. Até que não teve jeito, paramos um pouco a menos de 2 kms da Estrada da Morte, esperamos... esperamos pra ver se passava e nada =/


O jeito foi abortar a missão e voltar, afinal seria um risco muito grande e não veríamos nada. A todo instante passavam vãs com os ciclistas quentinhos lá dentro, e nós, tomando coragem pra enfrentar a volta.

Molhados, sem capa de chuva, as jaquetas não seguraram muito e uma chuva que ficava cada hora mais intensa, chegamos a pegar 4º na rodovia, imagine nossa sensação térmica =/ As mãos doíam demais, o vento cortava a pele de tão gelado, esses kms não acabavam nunca, e nem dava pra acelerar, asfalto molhado, muitas curvas... a cautela falava mais alto mas o frio judiava demais.

Chegando em La Paz o dia continuava ótimo, mas a chuva tbm estava chegando. Foi duro até encontrar uma lanchonete... naquela situação a vontade era de comer besteira e bem quente de tanta raiva, raiva pelo frio, por termos bobeado e não levado capa e mais ainda pela frustração, tão perto e ao mesmo tempo tão longe. Infelizmente não tínhamos tempo de esperar e tentar ir pra estrada novamente no dia seguinte, então decidimos partir logo sentido Oruro. Mas ainda um problema, precisávamos do SOAT Boliviano. o Gustavo novamente nos guiou ao guiche do SOAT, custou 190 Bolivianos, e não foi fácil de achar, mtos não sabiam onde era.


Enfim, só como informação compramos em frente o departamento de trânsito de La Paz no seguinte endereço:


A Estrada da Morte continuará na nossa imaginação e na lista dos caminho a percorrer, não foi dessa vez... mas é só mais um motivo para voltarmos a Bolívia e curtir as paisagens fantástica que cada curva desse país nos reserva :-)

Bora bora, começando a aventura para o Salar do Uyuni o/

Comentários

  1. Mesmo sem a estrada da morte, foi incrível a jornada. De repente, na próxima eu estou junto..rs Fantástico relato!

    haendel.

    ResponderExcluir
  2. Com direito a compania do mestre Yoda. Aguardando os relatos finais.

    ResponderExcluir
  3. Realmente a Bolívia é linda, as fotos provam isso sem duvida, não dava pra acreditar que o clima mudasse tanto e tão rápido, uma pena.

    Na sua próxima visita a Bolivia com certeza estarei junto e não é de garupa virtual não rsrs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A primeira de muitas - Ponta Grossa, Curitiba e Antonina - 07 a 11 de Julho

Como diz Fernando Pessoa, "a vida é o que fazemos dela", e para viajantes, a fazemos muito mais bonita!

Assim foram os dias 07 a 11 de Julho, onde o Cassiano e eu percorremos as estradas de São Paulo e Paraná. Certa vez li que uma viagem vem para nos tornar conhecedores de si mesmos e sinceros nas atitudes, e essa viagem veio pra solidificar ainda mais nosso sentimento, proporcionar conhecer ainda mais um ao outro, sentir nossa alegria em estar junto e dar a certeza que desejamos muitos e muitos kms de alegria, as vezes cada um com sua moto...as vezes os dois em uma moto...de ônibus...a pé...não importa, o que vale é estarmos sempre cheios de expectativas e abertos para as novas experiências que estão surgindo.

Mas senta que lá vem história...

No dia 7 saí de Jundiaí e fui encontrá-lo em Capão Bonito, de lá seguimos pra Ponta Grossa, nosso primeiro destino. Nosso objetivo por lá era conhecer a Abadia da Ressurreição, um mosteiro muito bonito cujos monges belamente apresentam…

13/11 - De Puerto Pirámides a Caleta Olivia

Durante o planejamento da viagem fiquei bem tranquila, mas na véspera da saída, sinceramente, o receio e o medo do que estava por vir ficaram constantes nos meus pensamentos. Tinha medo de uma viagem tão longa num grupo de 5 pessoas, tinha medo de não atingir nossas expectativas ou de novamente sofrer algum acidente. Medo de possíveis conflitos de relacionamento, personalidade, medo de problemas que pudéssemos ter, medo de a moto não aguentar a viagem e, principalmente, medo de não conseguir realizar esse objetivo.

Havia lido muito sobre o caminho, as adversidades, as dificuldades... cada relato tinha uma característica, e nunca é fácil a superação. Mas justamente deixar os medos pra trás é o que separa as pessoas que sonham das que realizam.

Uma das principais dificuldades do caminho, especificamente, é o vento, mas vamos por partes...

Depois do acidente do Kpot, passamos em Puerto Madryn para comprar outro retrovisor para a Teneré, e aliás, que cidade linda!


Em Puerto Madryn tbm com…

15/11 - O dia que as coisas não saíram como o planejado

"Se algo pode dar errado, dará!" 
Esta é a famosa lei de Murphy, e é impressionante como se contextualiza em viagens de moto. No nosso Giro não poderia ser diferente, e pra falar a verdade, ela veio a tona dia 15/11 , o dia em que NADA deveria ter dado errado.

Bem, saímos pela manhã do hotel Liporaca, em Rio Gallegos.


O Alfredo estava tbm quase pronto pra sair, mas como ele anda muito e estava com uma BMW fomos na frente, mas não demorou muito para que nos alcançasse.

Nos ajudou muito explicando como proceder na Aduana, pois neste trecho passamos pelo Chile, acredito que menos 300 kms, mas é necessário seguir os procedimentos de entrada e saída do país.

O dia já não começou muito bem quando pedi a caneta emprestada do atendente chileno. Ele emprestou e falou para devolver, ok, mas emprestei pra um dos colegas, que foi passando para outro, e para outro, e depois chegou um ônibus... todo mundo usando... quando fui ser atendida, qual a primeira coisa que o atendente pediu? A …