Pular para o conteúdo principal

16/03 - De Puno - Peru a La Paz - Bolívia, mais uma fronteira

Sou a favor da ideia de que o mundo não deveria ter fronteiras, apenas horizontes!

Mas como tudo está bem longe dessa utopia, no dia 16 atravessamos mais uma fronteira, dessa vez tendo como destino a Bolívia.

Durante os últimos momentos no Peru passava um filmes em nossas mentes sobre tudo o que havia acontecido até ali. Muitos desafios e medos foram enfrentados. Quando entramos no Peru pensamos: "Agora a coisa ficou séria, estamos sozinhos!!" e agora saindo do país vimos que nada é um bicho de 7 cabeças, mas que com vontade tudo se ajeita. O mesmo filme do receio tbm estava se iniciando novamente devido as muitas histórias sobre a Bolívia, mas agora, como viajantes um pouco mais experientes sabíamos que as coisas dariam certo ;-)

Em boa parte da estrada tivemos a companhia do lago Titicaca, que sempre nos surpreenderá por sua beleza e grandeza, um lago sagrado que vai muito além das lendas que rodeiam os Incas, mas que para nós demonstrou ser real fonte de vida, algo que ficará em nossos corações para sempre.







As estradas peruanas são dignas de respeito, em todas que passamos o asfalto estava excelente, não faltaram postos de gasolina, e as belezas.... ahhh as belezas, sempre de encher os olhos.



 

Os trâmites para sair do Peru foram rápidos e práticos, primeiro dando saída no passaporte na Imigração.


E depois apenas pegando um carimbo na Aduana para dar saída das motos (nesse prédio verde abaixo).



A única coisa que foi esquisita é que o próprio policial da Aduana nos indicou um senhorzinho que nos cobrou "pedágio" pelo uso da via, na verdade pelo uso dos 400 metros da ponte, estranho né? De qualquer forma foram 5 soles por moto, ok ok, deixa passar...


E aí finalmente na Bolívia \o/



Os trâmites para a entrada no país foram semelhante aos do Peru, primeiro entrada na Imigração. O Carlos não gostou muito dessa parte, quando ele foi o cara balbuciou alguma coisa indicando onde ficava a ficha, mandou preencher sem emprestar uma caneta e fez tudo com uma tremenda má vontade rsrsrs. Quando eu fui o cara falava bem claramente, foi super gentil, ele mesmo foi buscar a ficha para eu preencher e ainda puxou assunto quando perguntei onde deveria tirar xerox dos documentos, perguntando como era fotocópia em português, como estava a viagem... coisas assim rsrsrs um sorriso feminino faz toda a diferença né :-P  rsrsrs

Prédio onde da entrada na Bolívia (e os xerox ficam em frente)


E na parte da frente do prédio a Aduana para dar entrada das motos, são utilizados os mesmo documentos que no Peru (xerox da habilitação ou PID, xerox do comprovante de imigração, xerox do documento da moto e do passaporte - todo o processo foi gratuito).

Uma informação que o cara tbm me deu foi que a Bolívia tbm exige o SOAT Boliviano, até então eu achava que lá não teria nenhum seguro obrigatório. Mas só conseguiríamos comprar o SOAT em La Paz, quando perguntei o que fazer caso algum policial nos parasse exigindo o documento, ele mesmo falou que era para explicar que desejávamos comprar o SOAT mas que só teria em La Paz, e que estávamos nos dirigindo pra lá para adquirir o documento. Felizmente não nos foi exigido, ocorreu td bem até adquirir o seguro.


As estradas na Bolívia tbm estão em excelente estado, até nos surpreendeu e nos envergonhou lembrar das brasileiras.


 E as paisagens continuavam demais!!!


Fomos parados pelo exército, estavam verificando quase todos os veículos. Nossa estratégia era sempre eu ir na frente e começar a conversar, o fato de ser mulher já quebra muito o clima meio tenso. O soldado foi extremamente gentil, apenas verificou os documentos e perguntou o que continha nas bagagens, nem pediram pra abrir ou algo do tipo, nos liberaram rapidamente desejando boa viagem :)


Perto de Tiahuanacu encontramos um posto com uma pequena venda, pão com refrigerante boliviano foi o nosso almoço, isso já perto das 16 hs.


Um cara que estava na venda já havia morado no Brasil e foi super gentil conosco. Ele mesmo falou com o pessoal do posto para abastecer nossas motos. Foi engraçado que a frentista começou a perguntar como é que haviam nos deixado entrar no país. Neste primeiro posto cobraram o preço normal de combustível, tudo ocorreu normalmente.



A estrada para La Paz continuava nos encantando, ao fundo os picos nevados... paisagens para nunca mais esquecer.


La Paz já não foi fácil, eu estava sem GPS e logo na entrada percebemos que o trânsito era caótico, exatamente como nos falavam.



Mas quem precisa de GPS quando se tem amigos? Felizmente tbm tivemos apoio AME-BR por lá, o Gustavo foi o máximo nos hospedando e nos guiando na cidade, o esperamos aqui no Brasil hein ;-)

Na Bolívia moto tbm não paga pedágio, basta passar atrás dos carros ou a direita caso tenha indicação.





Foi fácil rodar assim né rsrs o/


A noite conhecemos a Marlen e acho que comemos uma das melhores comidas da viagem, desculpe o trabalho Marlen, estava bom demais!!!


O primeiro dia tranquilo na Bolívia nos deixou calmos e na expectativa de conhecer muito mais. As histórias de que é tudo caótico, que há muita propina ou que não se consegue abastecer não se concretizaram conosco, muitos haviam falado que deveríamos evitar a Bolívia, bem, ainda bem que não fizemos isso, afinal sempre precisa experimentar, nem que seja para depois dizer que não gostou, mas esse com certeza não foi o caso, gostamos, e gostamos muito!!!

Bora para a Estrada da Morte?

Comentários

  1. Que bom que na Bolívia não é do jeito que dizem né, as vezes por algum azar mancham a imagem do país...

    ...mas quando eu for conhecer a Bolívia vou levar uma mascara com seu rosto estampado e usar debaixo do capacete, assim os guardas me liberam logo kkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A primeira de muitas - Ponta Grossa, Curitiba e Antonina - 07 a 11 de Julho

Como diz Fernando Pessoa, "a vida é o que fazemos dela", e para viajantes, a fazemos muito mais bonita!

Assim foram os dias 07 a 11 de Julho, onde o Cassiano e eu percorremos as estradas de São Paulo e Paraná. Certa vez li que uma viagem vem para nos tornar conhecedores de si mesmos e sinceros nas atitudes, e essa viagem veio pra solidificar ainda mais nosso sentimento, proporcionar conhecer ainda mais um ao outro, sentir nossa alegria em estar junto e dar a certeza que desejamos muitos e muitos kms de alegria, as vezes cada um com sua moto...as vezes os dois em uma moto...de ônibus...a pé...não importa, o que vale é estarmos sempre cheios de expectativas e abertos para as novas experiências que estão surgindo.

Mas senta que lá vem história...

No dia 7 saí de Jundiaí e fui encontrá-lo em Capão Bonito, de lá seguimos pra Ponta Grossa, nosso primeiro destino. Nosso objetivo por lá era conhecer a Abadia da Ressurreição, um mosteiro muito bonito cujos monges belamente apresentam…

Uma pessoa especial...

Sou uma motociclista que sempre foi independente, dona de si e que se esforça em realizar os sonhos de estrada, mas tbm sou uma mulher que, junto com as aventuras de ir longe...tbm sonha em ter a cia de alguém especial, que encontre um sorriso ao lado quando acordar em algum hotel por aí, alguém que queira dividir momentos, sonhos, família e muito carinho.

A música abaixo do Paolo representa bem o que eu sentia:

"Quero uma pessoa como eu Que me aceite como eu sou Que precise de carinho e de amor Quero uma pessoa como eu Que aprenda a me escutar Que entenda o que diz o meu olhar Que não fique por ficar Quero alguém afim de viajar no por do sol
Que acenda no meu céu todas as estrelas do prazer
Eu só quero alguém pra me seguir Pra chorar e pra sorrir, aonde eu for Que não goste de mentir, que não saiba nem fingir Que me de muito valor na hora que eu me entregar
Mas eu só quero alguém pra me seguir Pra chorar e pra sorrir, aonde eu for Que não goste de mentir, que não saiba nem fingi…

15/11 - O dia que as coisas não saíram como o planejado

"Se algo pode dar errado, dará!" 
Esta é a famosa lei de Murphy, e é impressionante como se contextualiza em viagens de moto. No nosso Giro não poderia ser diferente, e pra falar a verdade, ela veio a tona dia 15/11 , o dia em que NADA deveria ter dado errado.

Bem, saímos pela manhã do hotel Liporaca, em Rio Gallegos.


O Alfredo estava tbm quase pronto pra sair, mas como ele anda muito e estava com uma BMW fomos na frente, mas não demorou muito para que nos alcançasse.

Nos ajudou muito explicando como proceder na Aduana, pois neste trecho passamos pelo Chile, acredito que menos 300 kms, mas é necessário seguir os procedimentos de entrada e saída do país.

O dia já não começou muito bem quando pedi a caneta emprestada do atendente chileno. Ele emprestou e falou para devolver, ok, mas emprestei pra um dos colegas, que foi passando para outro, e para outro, e depois chegou um ônibus... todo mundo usando... quando fui ser atendida, qual a primeira coisa que o atendente pediu? A …