Pular para o conteúdo principal

11/03 - Valle Sagrado - Cusco - Peru

De acordo com a Wikipédia, sagrado é "algo que merece veneração", e essa é uma definição oportuna para o Valle Sagrado de Cusco: lugares tão lindos que merecem mais do que admiração, merecem respeito, encantamento e  reverência, tantos pelas construções e ruínas quanto pelo povo que persisti em seguir as tradições mantendo viva essa cultura.

Bem, a agência de viagem que contratamos, a Fabulous foi realmente fantástica, tanto no cuidado conosco pessoalmente em sempre procurar saber como eu estava qto pela organização do nosso pacote turístico, proporcionando a chance de momentos incríveis e exatamente conforme o planejado, isso foi ótimo porque nesses dias realmente demos uma parada na motocaria, precisava me recuperar o quanto antes dos machucados pois ainda teremos mtos kms pela frente.

 O passeio começou logo com um mirante de encher os olhos. De lá já era possível ver os picos nevados ao fundo, foi a primeira vez que ví neve, mesmo estando longe... ainda assim foi uma das paisagens mais lindas que já passei.




Começamos a visitar as  ruínas de Pisac que está entre as mais lindas do Valle Sagrado.




É interessante a harmonia da natureza com as ruínas. Por ficar em lugar muito alto, nessas cidades os Incas construiam diversas "faixas" afim de manter a agricultura. 


Ao observar o tipo de pedra usada concluímos que várias partes eram consideradas sagradas, é um lugar realmente surpreendente.


Seguimos para o mercado artesanal de Pisac e finalmente tirei a foto que tanto queria com uma lhama filhote *-* tão fofa



Uma dica e curiosidade é que claro, se paga para tirar esse tipo de foto, quando se pergunta o preço eles falam "1 voluntário" que equivale a 1 Sol ou "1 propina", que equivale a 5 Soles, bom ficar atento a isso ;-)

Seguimos para Ollanta, o caminho todo é bellissimo tbm, diversos vales, plantações, animais, montanhas, pedras... como é possível existir lugares tão lindos *-* 


O objetivo principal era conhecer  Ollantaytambo, que na minha opinião foi o lugar mais lindo e incrível que passamos.


Diz a lenda que Ollanta foi um dos militares favoritos do Inca Pachacútec, mas ele cometeu o desfavor de se apaixonar pela filha do Inca tendo a ousadia de relatar isso ao rei. O rei não gostou nada da ideia e mandou matar Ollanta, mas este fugiu levando seu amor consigo, dizem que eles tiveram uma filha que era a mais linda entre as mulheres. Com o propósito de se refugiar é que tbm construíram esse paraíso. Ahhhh que amor *-*

Ollantaytambo foi palco de muitas guerras, inclusive com o Inca Pachacútec, e depois com os espanhóis, por isso muitas partes estão destruídas.



De acordo com a crença, os mortos quando enterrados em montanhas se incorporavam e se transformavam tbm na montanha, uma coisa interessante é essa montanha que fica bem em frente Ollantaytambo e que tem a aparência de um rosto de um velho sábio na foto abaixo.

Na foto abaixo é tbm possível observar umas ruínas quadradas , essas ruínas eram armazens de alimentos. O Império Inca era mantido com o trabalho de tds, não haviam pessoas ociosas, e ladrões eram duramente castigados. De tudo o que se produzia, 50% ficava para o povoado, 25% ía para o rei e 25% deveria ser guardado nos armazéns, para que tivessem segurança em épocas ruins ou se precisasse socorrer algum outro povoado devido algum problema.

O interessante desses armazéns ficarem no alto das montanhas é a refrigeração natural que recebem o tempo todo.




Não foi fácil subir e descer todas essas escadas, mas todo o esforço realmente valeu a pena.



A paisagem por todos os lados continuava incrível!!!


Seguimos então para Chinchero, qdo recebemos uma aula incrível de como esse pessoal produz as lãs utilizadas para o artesanato. Todo o processo, inclusive a pigmentação, é natural e artesanal, um trabalho demorado e incrível!!! 



Foi tudo muito interessante e regado a base de chá de coca rsrs

Uma frase do Albert Einstein me chama muito a atenção: "Além das aptidões e qualidades herdadas, é a tradição que faz de nós aquilo que somos ". Bem, me pego pensando sobre a perspectiva de vida desses povoados, trabalham exatamente como a centenas de anos, e num mundo que está em constante evolução é interessante essa quebra de paradigma promovido por eles, as mudanças são bem vindas caso ajudem, mas elas não superam as tradições e os cuidados que os antepassados destes tiveram. As casas de barro, as roupas coloridas e artesanais, o trabalho no campo... todas são formas de sobrevivência não só de uma população, mas de uma cultura e tradição que é realmente valorizada por essas pessoas.


Comentários

  1. O Vale Sagrado, realmente é show... já passei por aí de moto; ...em Noellen, vc escreveu assim: "De lá já era possível ver os picos nevados ao fundo, foi a primeira vez que ví neve, mesmo estando longe..." mas... vcs passaram pelo Nevado Ausangate, entre Marcapata e Ocongate, depois de Abra Pirhuayani com seus 4.725 m.s.n.m., com muita neve, bem mais perto e tbm mais bonito, que estes relatados por vcs no Vale Sagrado; uma região impressionante; e vc não relatou nada, será que estava com neblina e vcs não viram, ou ainda foi por causa do acidente? Próximo a que cidade foi o acidente?... por algum motivo vcs não viram esse nevado, que é muito bonito, e tem neve o ano todo;

    ResponderExcluir
  2. Haja fôlego rsrs, pelas fotos as lombrigas só aumentam aqui rsrs

    ResponderExcluir
  3. Olha Noellen, você esta de parabéns, suas narrativas estão perfeitas, estou adorando a cada novo capítulo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A primeira de muitas - Ponta Grossa, Curitiba e Antonina - 07 a 11 de Julho

Como diz Fernando Pessoa, "a vida é o que fazemos dela", e para viajantes, a fazemos muito mais bonita!

Assim foram os dias 07 a 11 de Julho, onde o Cassiano e eu percorremos as estradas de São Paulo e Paraná. Certa vez li que uma viagem vem para nos tornar conhecedores de si mesmos e sinceros nas atitudes, e essa viagem veio pra solidificar ainda mais nosso sentimento, proporcionar conhecer ainda mais um ao outro, sentir nossa alegria em estar junto e dar a certeza que desejamos muitos e muitos kms de alegria, as vezes cada um com sua moto...as vezes os dois em uma moto...de ônibus...a pé...não importa, o que vale é estarmos sempre cheios de expectativas e abertos para as novas experiências que estão surgindo.

Mas senta que lá vem história...

No dia 7 saí de Jundiaí e fui encontrá-lo em Capão Bonito, de lá seguimos pra Ponta Grossa, nosso primeiro destino. Nosso objetivo por lá era conhecer a Abadia da Ressurreição, um mosteiro muito bonito cujos monges belamente apresentam…

15/11 - O dia que as coisas não saíram como o planejado

"Se algo pode dar errado, dará!" 
Esta é a famosa lei de Murphy, e é impressionante como se contextualiza em viagens de moto. No nosso Giro não poderia ser diferente, e pra falar a verdade, ela veio a tona dia 15/11 , o dia em que NADA deveria ter dado errado.

Bem, saímos pela manhã do hotel Liporaca, em Rio Gallegos.


O Alfredo estava tbm quase pronto pra sair, mas como ele anda muito e estava com uma BMW fomos na frente, mas não demorou muito para que nos alcançasse.

Nos ajudou muito explicando como proceder na Aduana, pois neste trecho passamos pelo Chile, acredito que menos 300 kms, mas é necessário seguir os procedimentos de entrada e saída do país.

O dia já não começou muito bem quando pedi a caneta emprestada do atendente chileno. Ele emprestou e falou para devolver, ok, mas emprestei pra um dos colegas, que foi passando para outro, e para outro, e depois chegou um ônibus... todo mundo usando... quando fui ser atendida, qual a primeira coisa que o atendente pediu? A …

14/11 - De Caleta Olivia a Rio Gallegos

Amigos se reconhecem! Já escrevi esta frase aqui no blog dezenas de vezes, mas a cada dia tenho mais certeza que essas palavras são reais, vamos lá... que nosso objetivo está cada vez mais perto!!

A partir de Comodoro Rivadavia diminuiu um pouquinho (em alguns trechos) as retas intermináveis da Ruta 3 e pegamos trechos lindos beirando o mar.



E neste trecho realmente começamos a sentir o frio pra valer.
E olha aí... até o Tux já pegou a rota para Ushuaia rsrs

Num posto de gasolina conhecemos  o Alfredo Paz, um motociclista que mora em Ushuaia. Ele nos deu muitas dicas do caminho e inclusive recomendou o hotel que ficaria em Rio Gallegos, explicando certinho como chegar lá... bacana né \o/

Numa breve parada no meio do nada...


Desafiamos o vento rsrs e saímos perdendo rsrs

Nos posts anteriores mostramos como realmente o vento é forte, e se vc colocar a moto a favor do vento... ela cai rsrs e o Boni... sempre o Boni... quis tirar a prova kkkk, deu no que deu :-P

Felizmente não estrago…