Pular para o conteúdo principal

11/03 - Valle Sagrado - Cusco - Peru

De acordo com a Wikipédia, sagrado é "algo que merece veneração", e essa é uma definição oportuna para o Valle Sagrado de Cusco: lugares tão lindos que merecem mais do que admiração, merecem respeito, encantamento e  reverência, tantos pelas construções e ruínas quanto pelo povo que persisti em seguir as tradições mantendo viva essa cultura.

Bem, a agência de viagem que contratamos, a Fabulous foi realmente fantástica, tanto no cuidado conosco pessoalmente em sempre procurar saber como eu estava qto pela organização do nosso pacote turístico, proporcionando a chance de momentos incríveis e exatamente conforme o planejado, isso foi ótimo porque nesses dias realmente demos uma parada na motocaria, precisava me recuperar o quanto antes dos machucados pois ainda teremos mtos kms pela frente.

 O passeio começou logo com um mirante de encher os olhos. De lá já era possível ver os picos nevados ao fundo, foi a primeira vez que ví neve, mesmo estando longe... ainda assim foi uma das paisagens mais lindas que já passei.




Começamos a visitar as  ruínas de Pisac que está entre as mais lindas do Valle Sagrado.




É interessante a harmonia da natureza com as ruínas. Por ficar em lugar muito alto, nessas cidades os Incas construiam diversas "faixas" afim de manter a agricultura. 


Ao observar o tipo de pedra usada concluímos que várias partes eram consideradas sagradas, é um lugar realmente surpreendente.


Seguimos para o mercado artesanal de Pisac e finalmente tirei a foto que tanto queria com uma lhama filhote *-* tão fofa



Uma dica e curiosidade é que claro, se paga para tirar esse tipo de foto, quando se pergunta o preço eles falam "1 voluntário" que equivale a 1 Sol ou "1 propina", que equivale a 5 Soles, bom ficar atento a isso ;-)

Seguimos para Ollanta, o caminho todo é bellissimo tbm, diversos vales, plantações, animais, montanhas, pedras... como é possível existir lugares tão lindos *-* 


O objetivo principal era conhecer  Ollantaytambo, que na minha opinião foi o lugar mais lindo e incrível que passamos.


Diz a lenda que Ollanta foi um dos militares favoritos do Inca Pachacútec, mas ele cometeu o desfavor de se apaixonar pela filha do Inca tendo a ousadia de relatar isso ao rei. O rei não gostou nada da ideia e mandou matar Ollanta, mas este fugiu levando seu amor consigo, dizem que eles tiveram uma filha que era a mais linda entre as mulheres. Com o propósito de se refugiar é que tbm construíram esse paraíso. Ahhhh que amor *-*

Ollantaytambo foi palco de muitas guerras, inclusive com o Inca Pachacútec, e depois com os espanhóis, por isso muitas partes estão destruídas.



De acordo com a crença, os mortos quando enterrados em montanhas se incorporavam e se transformavam tbm na montanha, uma coisa interessante é essa montanha que fica bem em frente Ollantaytambo e que tem a aparência de um rosto de um velho sábio na foto abaixo.

Na foto abaixo é tbm possível observar umas ruínas quadradas , essas ruínas eram armazens de alimentos. O Império Inca era mantido com o trabalho de tds, não haviam pessoas ociosas, e ladrões eram duramente castigados. De tudo o que se produzia, 50% ficava para o povoado, 25% ía para o rei e 25% deveria ser guardado nos armazéns, para que tivessem segurança em épocas ruins ou se precisasse socorrer algum outro povoado devido algum problema.

O interessante desses armazéns ficarem no alto das montanhas é a refrigeração natural que recebem o tempo todo.




Não foi fácil subir e descer todas essas escadas, mas todo o esforço realmente valeu a pena.



A paisagem por todos os lados continuava incrível!!!


Seguimos então para Chinchero, qdo recebemos uma aula incrível de como esse pessoal produz as lãs utilizadas para o artesanato. Todo o processo, inclusive a pigmentação, é natural e artesanal, um trabalho demorado e incrível!!! 



Foi tudo muito interessante e regado a base de chá de coca rsrs

Uma frase do Albert Einstein me chama muito a atenção: "Além das aptidões e qualidades herdadas, é a tradição que faz de nós aquilo que somos ". Bem, me pego pensando sobre a perspectiva de vida desses povoados, trabalham exatamente como a centenas de anos, e num mundo que está em constante evolução é interessante essa quebra de paradigma promovido por eles, as mudanças são bem vindas caso ajudem, mas elas não superam as tradições e os cuidados que os antepassados destes tiveram. As casas de barro, as roupas coloridas e artesanais, o trabalho no campo... todas são formas de sobrevivência não só de uma população, mas de uma cultura e tradição que é realmente valorizada por essas pessoas.


Comentários

  1. O Vale Sagrado, realmente é show... já passei por aí de moto; ...em Noellen, vc escreveu assim: "De lá já era possível ver os picos nevados ao fundo, foi a primeira vez que ví neve, mesmo estando longe..." mas... vcs passaram pelo Nevado Ausangate, entre Marcapata e Ocongate, depois de Abra Pirhuayani com seus 4.725 m.s.n.m., com muita neve, bem mais perto e tbm mais bonito, que estes relatados por vcs no Vale Sagrado; uma região impressionante; e vc não relatou nada, será que estava com neblina e vcs não viram, ou ainda foi por causa do acidente? Próximo a que cidade foi o acidente?... por algum motivo vcs não viram esse nevado, que é muito bonito, e tem neve o ano todo;

    ResponderExcluir
  2. Haja fôlego rsrs, pelas fotos as lombrigas só aumentam aqui rsrs

    ResponderExcluir
  3. Olha Noellen, você esta de parabéns, suas narrativas estão perfeitas, estou adorando a cada novo capítulo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A primeira de muitas - Ponta Grossa, Curitiba e Antonina - 07 a 11 de Julho

Como diz Fernando Pessoa, "a vida é o que fazemos dela", e para viajantes, a fazemos muito mais bonita! Assim foram os dias 07 a 11 de Julho, onde o Cassiano e eu percorremos as estradas de São Paulo e Paraná. Certa vez li que uma viagem vem para nos tornar conhecedores de si mesmos e sinceros nas atitudes, e essa viagem veio pra solidificar ainda mais nosso sentimento, proporcionar conhecer ainda mais um ao outro, sentir nossa alegria em estar junto e dar a certeza que desejamos muitos e muitos kms de alegria, as vezes cada um com sua moto...as vezes os dois em uma moto...de ônibus...a pé...não importa, o que vale é estarmos sempre cheios de expectativas e abertos para as novas experiências que estão surgindo. Mas senta que lá vem história... No dia 7 saí de Jundiaí e fui encontrá-lo em Capão Bonito, de lá seguimos pra Ponta Grossa, nosso primeiro destino. Nosso objetivo por lá era conhecer a Abadia da Ressurreição, um mosteiro muito bonito cujos monges belamente apres

13/11 - De Puerto Pirámides a Caleta Olivia

Durante o planejamento da viagem fiquei bem tranquila, mas na véspera da saída, sinceramente, o receio e o medo do que estava por vir ficaram constantes nos meus pensamentos. Tinha medo de uma viagem tão longa num grupo de 5 pessoas, tinha medo de não atingir nossas expectativas ou de novamente sofrer algum acidente. Medo de possíveis conflitos de relacionamento, personalidade, medo de problemas que pudéssemos ter, medo de a moto não aguentar a viagem e, principalmente, medo de não conseguir realizar esse objetivo. Havia lido muito sobre o caminho, as adversidades, as dificuldades... cada relato tinha uma característica, e nunca é fácil a superação. Mas justamente deixar os medos pra trás é o que separa as pessoas que sonham das que realizam. Uma das principais dificuldades do caminho, especificamente, é o vento, mas vamos por partes... Depois do acidente do Kpot, passamos em Puerto Madryn para comprar outro retrovisor para a Teneré, e aliás, que cidade linda! Em Puerto Madr

Vlog Rumo aos Sonhos - Episódio 010 e 011 - Um bate papo sobre a Lander

Não é todo dia que encontramos uma moto com quase 270 mil kms rodados, e essa é a atual quilometragem da minha Lander. Peguei a motoca zero km no dia 25/01/2014, meu objetivo era ter uma moto novinha para a primeira viagem para o exterior, o Giro Latino, que já está registrado aqui no blog. Desde então tivemos a chance de percorrer juntas 9 países aqui da América Latina, sem contar a parceria dia a dia nas idas ao trabalho, faculdade e muito mais. Já foram muitos kms de alegria, e fico na expectativa para que venham muito mais! Devido essa alta quilometragem, muitos me perguntam sobre as manutenções que faço, se já fiz o motor...então para esclarecer todas as dúvidas, decidi fazer dois vídeos relacionados. O Episódio 010 respondo a clássica pergunta se já fiz o motor da Lander, e sim, já fiz, com 176 mil kms. Quando tinha 100 mil kms, o eixo da rosca do pinhão espanou e rodei 76 mil kms com o pinhão soldado. Para resolver o problema de uma vez por todas, fizemos o evento do QG da