Pular para o conteúdo principal

Aula 4/5: Motores 4 Tempos

 E lá vamos nós para mais uma aula, o curso está cada dia mais interessante, estou abrindo mão até de algumas viagens só pra estudar, acredita?



 Enfim, próximo conteúdo rsrsrs: Motores 4 Tempos.

Importante: O conteúdo que estou escrevendo é com base no que entendi da aula no curso de mecânica na Radial Cursos , não é responsabilidade deles caso eu escreva algo errado, é até bom que me corrijam, afinal, conhecimento é sempre bem vindo :-) Mas se o post ficar bom... créditos pro professor Marco hein ;-) E continuo recomendando fazer o curso por lá, a prática e ver tudo  pessoalmente é bem melhor ;-)

Os motores 4 tempos são atualmente os mais utilizados nas motocicletas, como já vimos no post anterior, a preocupação com o meio ambiente e outros fatores exigem motocicletas que visam poluir um pouco menos. Já coloquei aqui sobre o funcionamento dos motores na Aula 1, só que agora vamos ver mais a fundo parte por parte.

Lembram-se do Ciclo de Otto abordado na aula 1? Então, o motor 4 tempos é chamado assim devido suas 4 fases: Admissão, Compressão, Explosão e Escape, isso proporciona algumas características interessantes, visto que o virabrequim da 2 voltas mas só ocorre uma explosão, são elas: menor rotação, maior durabilidade, menor consumo, menor manutenção e a utilização de apenas um tipo de óleo.

Ciclo de Otto







Vamos começar ver tudo mais a fundo então \o/

Cabeçote

O cabeçote de um motor 4 tempos é mais complexo que um 2 tempos, isso porque possui várias peças móveis, como válvulas, guia de válvulas, travas, retentores, dentre outras.


A função dele é:
  1. Permitir a entrada da mistura (ar + gasolina) pela válvula de admissão
  2. Manter a vedação no momento da compressão
  3. Permitir a saída dos gases queimados pela válvula de escape
Para realizar essas funções, algumas peças primordiais são os conjuntos das válvulas:


Elas são constituídas de:




E seu funcionamento é justamente para permitir a entrada da mistura e a saída dos gases, tudo devidamente sincronizado, como?




Através da imagem e da animação abaixo conseguimos ver exatamente o momento do funcionamento de cada uma: A entrada da mistura com a válvula pela esquerda que vai se abrindo, a explosão com ambas fechadas e a saída dos gases na válvula da direita:






Olhando por outro ângulo:


Muito bacana né :-D

Portanto, podemos notar que a vedação das válvulas é primordial, pois assim é que vai manter uma boa compressão, para que isso ocorra, é necessário um perfeito assentamento, que é obtido através do polimento das válvulas. As hastes não devem estar empenadas ou trincadas, e a mola precisa ter uma boa pressão.

Uma dica legal para verificar qualquer problema é testar a compressão com um compressímetro, tanto com o motor quente qto com ele frio, a compressão deve aumentar com o motor quente. Caso diminua... sinal de folga de válvula hein ;-) Pode-se tbm colocar um pouco de óleo 4 tempos na câmara de combustão e medir a compressão novamente, se as leituras variarem muito, sinal de vazamento no pistão e anéis.

Outra dica, já com o motor desmontado, como por exemplo qdo volta da retífica, é colocar  gasolina em cada uma das entradas, uma por vez, ou colocar contra a luz, se vazar qualquer coisa... problemas na vedação ;-)

Uma coisa interessante é que as válvulas tem regulagem correta para cada moto, e este é o espaço limite em que permite que as peças se dilatem devido ao calor. Há alguns vídeos na internet sobre como fazer essa manutenção, ainda não me arrisco pq não tenho ferramenta, mas segue a dica \o/ O Exemplo é pra CG 150

 

Continuando sobre os cabeçotes, normalmente eles só apresentam dois tipos de defeitos:
  1. Perda de compressão (se estiver rachado ou problema de vedação das valvulas)
  2. Barulho (se tem folga devido o desgaste das peças)

Pistão

A camisa do motor 4 tempos não possui janelas, e seu pistão possui 3 canaletas onde ficam os seus anéis:



 São eles:


Os anéis de controle de óleo são responsáveis por não permitir que o óleo entre na câmara de combustão, pois se isso ocorrer, o motor começará a queimar esse óleo e liberar fumaça, coisa que não deve acontecer.


Lubrificação

Lembre-se que os motores 4 tempos utilizam apenas um tipo de óleo, pode verificar mais sobre isso e a qualidade deles na aula 2 . Esse óleo lubrifica o motor inteiro: câmbio, embreagem, virabrequim, válvulas... etc, por isso é chamado de Cárter úmido.

Essa lubrificação ocorre de duas formas:

  • Salpico: o próprio movimento das peças, lançando óleo para todo lado
  • Forçada: uma bomba de óleo é usada para pressurizar o óleo e bombeá-lo através de dutos que levam o óleo para as peças distantes do cárter. 
Olha que interessante os fluxos da lubrificação obtida no manual de serviços da Lander:

 Fluxo:















Bem, ainda tem muito assunto pela frente, mas bacana o conteúdo né, espero que esteja sendo útil para todos ;-)


 Referências: http://curso-mecanica-motos.f1cf.com.br/index.html

Comentários

  1. Mais uma super aula, parabéns, se der tempo, sabadão vou trocar a junta do cabeçote da minha motoca, o duro e ter que comprar as ferramentas, ôôô coisa cara rsrs

    ResponderExcluir
  2. Querida irmãzinha Noellen, não se preocupe com as perdas de passeio. Pense assim: Estou colhendo frutos para futuramente não ficar na mão e ainda poder ganhar um dindim por fora. Já imaginou Noellen, nossa mecânica oficial do Tenere Club. JUNTOS E MISTURADOS NUNCA ENROLADOS...

    Beijos no coração do cariocarj

    ResponderExcluir
  3. Olá Noellen,
    Talvez vc goste desse site sobre mecanica de motos:
    http://curso-mecanica-motos.f1cf.com.br/

    Abraço,
    Lu

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A primeira de muitas - Ponta Grossa, Curitiba e Antonina - 07 a 11 de Julho

Como diz Fernando Pessoa, "a vida é o que fazemos dela", e para viajantes, a fazemos muito mais bonita!

Assim foram os dias 07 a 11 de Julho, onde o Cassiano e eu percorremos as estradas de São Paulo e Paraná. Certa vez li que uma viagem vem para nos tornar conhecedores de si mesmos e sinceros nas atitudes, e essa viagem veio pra solidificar ainda mais nosso sentimento, proporcionar conhecer ainda mais um ao outro, sentir nossa alegria em estar junto e dar a certeza que desejamos muitos e muitos kms de alegria, as vezes cada um com sua moto...as vezes os dois em uma moto...de ônibus...a pé...não importa, o que vale é estarmos sempre cheios de expectativas e abertos para as novas experiências que estão surgindo.

Mas senta que lá vem história...

No dia 7 saí de Jundiaí e fui encontrá-lo em Capão Bonito, de lá seguimos pra Ponta Grossa, nosso primeiro destino. Nosso objetivo por lá era conhecer a Abadia da Ressurreição, um mosteiro muito bonito cujos monges belamente apresentam…

15/11 - O dia que as coisas não saíram como o planejado

"Se algo pode dar errado, dará!" 
Esta é a famosa lei de Murphy, e é impressionante como se contextualiza em viagens de moto. No nosso Giro não poderia ser diferente, e pra falar a verdade, ela veio a tona dia 15/11 , o dia em que NADA deveria ter dado errado.

Bem, saímos pela manhã do hotel Liporaca, em Rio Gallegos.


O Alfredo estava tbm quase pronto pra sair, mas como ele anda muito e estava com uma BMW fomos na frente, mas não demorou muito para que nos alcançasse.

Nos ajudou muito explicando como proceder na Aduana, pois neste trecho passamos pelo Chile, acredito que menos 300 kms, mas é necessário seguir os procedimentos de entrada e saída do país.

O dia já não começou muito bem quando pedi a caneta emprestada do atendente chileno. Ele emprestou e falou para devolver, ok, mas emprestei pra um dos colegas, que foi passando para outro, e para outro, e depois chegou um ônibus... todo mundo usando... quando fui ser atendida, qual a primeira coisa que o atendente pediu? A …

14/11 - De Caleta Olivia a Rio Gallegos

Amigos se reconhecem! Já escrevi esta frase aqui no blog dezenas de vezes, mas a cada dia tenho mais certeza que essas palavras são reais, vamos lá... que nosso objetivo está cada vez mais perto!!

A partir de Comodoro Rivadavia diminuiu um pouquinho (em alguns trechos) as retas intermináveis da Ruta 3 e pegamos trechos lindos beirando o mar.



E neste trecho realmente começamos a sentir o frio pra valer.
E olha aí... até o Tux já pegou a rota para Ushuaia rsrs

Num posto de gasolina conhecemos  o Alfredo Paz, um motociclista que mora em Ushuaia. Ele nos deu muitas dicas do caminho e inclusive recomendou o hotel que ficaria em Rio Gallegos, explicando certinho como chegar lá... bacana né \o/

Numa breve parada no meio do nada...


Desafiamos o vento rsrs e saímos perdendo rsrs

Nos posts anteriores mostramos como realmente o vento é forte, e se vc colocar a moto a favor do vento... ela cai rsrs e o Boni... sempre o Boni... quis tirar a prova kkkk, deu no que deu :-P

Felizmente não estrago…