Pular para o conteúdo principal

Aula 3: Motores 2 Tempos

Quem nunca ouviu falar da famosa viúva negra? A poderosa RD350 *-*


Ou então a DT180... algumas das motos que fizeram a alegria da galera nos anos 70/80/90  *-*




O que elas tem em comum?

Seu potente motor 2 tempos, aquele som inconfundível, soltando fumaça pra todo lado... mas que todo mundo ainda acha o máximo e baba quando alguma legal passa.

E é isso aí, aula do último sábado sobre motores 2 tempos \o/



Importante: O conteúdo que estou escrevendo é com base no que entendi da aula no curso de mecânica na Radial Cursos , não é responsabilidade deles caso eu escreva algo errado, é até bom que me corrijam afinal conhecimento é sempre bem vindo :-) Mas se o post ficar bom... créditos pro professor Marco hein ;-)

Embora não seja mais permitido a fabricação de motores 2 tempos no Brasil, é interessante conhecê-lo pois ainda rodam muitas dessas motocas por aí, vamos lá então \o/

Muitas pessoas acham que os motores 2 tempos vieram antes dos motores 4 tempos, mas não, sua engenharia e construção simples foi uma evolução do 4 tempos, e ele possui algumas características bem interessantes, vamos analisá-las:

  • É normal sair fumaça: Nos motores 2 tempos, é misturado o óleo 2 tempos no combustível, com isso, ocorre a queima do óleo e da gasolina simultaneamente, aquela fumaça branca que sai do escapamento é prova de que a lubrificação está ocorrendo normalmente.
  • Maior velocidade inicial e som característico
  • Motores de alta rotação = maior consumo de combustível
  • Motor mais simples = menor número de peças ... etc
  • Peças com menor vida útil

Mas vamos analisar tudo por partes ;-)

Já aprendemos na Aula 1 que os motores são constituídos por cabeçote, cilindro e cárter.

Nos motores  2 tempos o cabeçote não possui nenhuma peça móvel, apenas a câmara de combustão e o orifício da vela. Isso é ótimo porque é quase raríssimo dar qualquer tipo de problema.




 No cilindro encontramos uma das principais diferenças entre o 2 tempos e 4 tempos, ele possui algumas "janelas" de admissão, escape e transferência. Essas palavras são familiares por termos aprendido sobre o Ciclo de Otto, e nos motores 4 tempos, todo esse processo ocorria de forma separada.

Já no 2 tempos, elas são meio que integradas, note a imagem do cilindro:







Conseguimos observar essas janelas, que servem para:
  • janela de admissão: entrada do combustível
  • janela de escape: saída dos gases queimados
  • janela de transferência: transfere a mistura (combustível, óleo e ar) do cárter para o cilindro
Como é esse funcionamento?

Nos motores dois tempos, a admissão e a compressão estão combinadas em um único ciclo enquanto a combustão e exaustão estão combinadas em outro, eliminando a necessidade de válvulas.
Neste caso, as válvulas são substituídas pelas janelas já mencionadas que são abertas e fechadas pelo próprio pistão durante seu curso.


Conforme o pistão desce depois da explosão, abre-se a janela de escape, permitindo que o gás queimado saia do cilindro.
A mistura (ar, combustível e óleo) é jogada para dentro do cilindro pela janela de admissão. Conforme o pistão sobe novamente, bloqueia as duas janelas, comprimindo a mistura. Aí, então, a vela emite a faísca e o processo começa novamente. Neste caso, é uma faísca a cada evolução.
 
Nos vídeos abaixo é possível ter um perfeito entendimento do processo ;-)
 
 
 
 
 Já no cárter, ele é chamado de seco, isso porque ele é dividido internamente, o virabrequim fica separado do câmbio e da embreagem.


 
Por esse motivo, o sistema de lubrificação é um pouco diferente: São utilizados dois tipos de óleo, um multiviscoso comum (como o que usamos nos motores 4 tempos) usado para ficar no compartimento do câmbio e embreagem, e um óleo especial 2 tempos, que é misturado a gasolina, lubrificando assim o virabrequim. Esse óleo 2 tempos, após fazer a lubrificação do virabrequim é queimado junto com a gasolina e eliminado como fumaça pelo escapamento.
 
O óleo 2 tempos pode ser tanto adicionado à gasolina no próprio tanque, normalmente na proporção 20:1 (20 litros de gasolina para 1 litro de óleo 2 tempos) como pode tbm ser através da bomba de óleo (com o autolub) que leva o óleo ao carburador, onde lá é misturado a gasolina. 
 
 
 Para as motos que usam o autolub, é necessário alguns cuidados, como fazer a sangria caso apresente bolhas de ar na mangueira, verificar a vazão e é super importante haver sincronismo do cabo com as referências ao montá-lo.

O óleo dois tempos, assim como os outros que vimos na Aula 2 tbm possui suas características na própria embalagem, com as classificações API e JASO. A regra das letras é a mesma, quanto maior a letra, mais avançado é o óleo:






 No motor dois tempos, há uma manutenção que é primordial para continuar apresentando a tão elogiada potência destes, que é a descarbonização. Devido a queima do óleo, é formado uma camada de carvão no pistão, no cabeçote e na janela do escape, isso faz com que a compressão do motor aumente, mas a potência diminua.

Bem, devido a alta poluição ambiental, sonora e alto consumo, provavelmente cada dia veremos menos motores 2 tempos, mas ainda assim achei o máximo aprender sobre eles, e agora, como resistir a tentação de pegar uma poderosa dessa só pra fuçar? Ahhh se meu bolso deixasse rsrs.

Mas ainda da pra curti-las um pouquinho ;-)


 Até a próxima \o/

Comentários

  1. Muito boa aula Noellen, daqui pouco a gente além da prova oral no tenere club vamos ter que fazer prova final frente a você em nossas motos risos. obrigado mais uma vez por disponibilizar sua aula para nós.

    Deus te abençoe

    JUNTOS E MISTURADOS NUNCA ENROLADOS! É TENERES EM AÇÃO HUURU

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Noellen, estou aqui aprendendo um pouco mais sobre essas paixões de 2 rodas. A viúva negra é poderosa, sem dúvidas, se bem que prefiro minha lander... é mais fácil e dócil de pilotar...rsrs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A primeira de muitas - Ponta Grossa, Curitiba e Antonina - 07 a 11 de Julho

Como diz Fernando Pessoa, "a vida é o que fazemos dela", e para viajantes, a fazemos muito mais bonita!

Assim foram os dias 07 a 11 de Julho, onde o Cassiano e eu percorremos as estradas de São Paulo e Paraná. Certa vez li que uma viagem vem para nos tornar conhecedores de si mesmos e sinceros nas atitudes, e essa viagem veio pra solidificar ainda mais nosso sentimento, proporcionar conhecer ainda mais um ao outro, sentir nossa alegria em estar junto e dar a certeza que desejamos muitos e muitos kms de alegria, as vezes cada um com sua moto...as vezes os dois em uma moto...de ônibus...a pé...não importa, o que vale é estarmos sempre cheios de expectativas e abertos para as novas experiências que estão surgindo.

Mas senta que lá vem história...

No dia 7 saí de Jundiaí e fui encontrá-lo em Capão Bonito, de lá seguimos pra Ponta Grossa, nosso primeiro destino. Nosso objetivo por lá era conhecer a Abadia da Ressurreição, um mosteiro muito bonito cujos monges belamente apresentam…

15/11 - O dia que as coisas não saíram como o planejado

"Se algo pode dar errado, dará!" 
Esta é a famosa lei de Murphy, e é impressionante como se contextualiza em viagens de moto. No nosso Giro não poderia ser diferente, e pra falar a verdade, ela veio a tona dia 15/11 , o dia em que NADA deveria ter dado errado.

Bem, saímos pela manhã do hotel Liporaca, em Rio Gallegos.


O Alfredo estava tbm quase pronto pra sair, mas como ele anda muito e estava com uma BMW fomos na frente, mas não demorou muito para que nos alcançasse.

Nos ajudou muito explicando como proceder na Aduana, pois neste trecho passamos pelo Chile, acredito que menos 300 kms, mas é necessário seguir os procedimentos de entrada e saída do país.

O dia já não começou muito bem quando pedi a caneta emprestada do atendente chileno. Ele emprestou e falou para devolver, ok, mas emprestei pra um dos colegas, que foi passando para outro, e para outro, e depois chegou um ônibus... todo mundo usando... quando fui ser atendida, qual a primeira coisa que o atendente pediu? A …

14/11 - De Caleta Olivia a Rio Gallegos

Amigos se reconhecem! Já escrevi esta frase aqui no blog dezenas de vezes, mas a cada dia tenho mais certeza que essas palavras são reais, vamos lá... que nosso objetivo está cada vez mais perto!!

A partir de Comodoro Rivadavia diminuiu um pouquinho (em alguns trechos) as retas intermináveis da Ruta 3 e pegamos trechos lindos beirando o mar.



E neste trecho realmente começamos a sentir o frio pra valer.
E olha aí... até o Tux já pegou a rota para Ushuaia rsrs

Num posto de gasolina conhecemos  o Alfredo Paz, um motociclista que mora em Ushuaia. Ele nos deu muitas dicas do caminho e inclusive recomendou o hotel que ficaria em Rio Gallegos, explicando certinho como chegar lá... bacana né \o/

Numa breve parada no meio do nada...


Desafiamos o vento rsrs e saímos perdendo rsrs

Nos posts anteriores mostramos como realmente o vento é forte, e se vc colocar a moto a favor do vento... ela cai rsrs e o Boni... sempre o Boni... quis tirar a prova kkkk, deu no que deu :-P

Felizmente não estrago…